ALF revela semestre de recuperação para o financiamento especializado

Os maiores ganhos verificam-se no Factoring, com uma expressiva subida da produção, 27,1% além do período homólogo de 2021, e cerca de 20% acima de 2019. O sector do Renting cresceu 11,4% em número de viaturas novas, para 13.569, entre janeiro e junho.

O desempenho do Leasing, Factoring e Renting no primeiro semestre de 2022 alinhou-se pelo crescimento da economia nacional, registando progressos nos três sectores, face ao período homólogo do ano passado, revela a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF).

“Aparentemente imune aos efeitos da guerra no início do semestre, o financiamento especializado superou mesmo, em alguns segmentos, números relativos a 2019”, acrescenta o comunicado.

Segundo a associação, que reúne as principais instituições que exercem Locação Financeira, Factoring e Renting em Portugal, os maiores ganhos verificam-se no Factoring, com uma expressiva subida da produção, 27,1% além do período homólogo de 2021, e cerca de 20% acima do ano pré-pandémico, num total de 20,1 mil milhões de euros.

Aqui, o Confirming teve o crescimento mais imponente, disparando 34,9% para 8,8 mil milhões de euros, representando um crescente recurso dos clientes ao pagamento aos seus fornecedores por via de uma instituição financeira, com a possibilidade de antecipação do pagamento, melhorando fluxos de caixa tanto do cliente da Factor quanto dos seus fornecedores. A resposta das 27 associadas da ALF tem sido firme, assegurando uma produção de Confirming que, comparativamente a 2019, é 42,4% superior, garante no documento.

Os segmentos do Factoring Doméstico e do Factoring Internacional demonstraram igualmente um forte crescimento dos créditos tomados, com crescimentos de 21,8% e 21,7%, por esta ordem.

Quanto ao sector do Leasing, registou-se um crescimento pouco expressivo, mantendo-se nos 1,1 mil milhões de euros, em relação ao primeiro semestre de 2021.

A Locação Financeira Mobiliária apresenta-se como o fator de pressão em baixa, com uma queda de 4,4% para uma produção de 697,2 milhões de euros. Pelo contrário, o financiamento imobiliário por via do Leasing aumentou 10,1%, para 408 milhões de euros (ainda aquém dos 430 milhões do ano pré-pandemia).

No Leasing Mobiliário, o investimento em Equipamentos fixou-se em 235,2 milhões de euros, num total de 3.685 contratos, longe dos 279,8 milhões do período homólogo de 2021. Para esta queda na produção estará também a contribuir a restrição crescente no fornecimento de viaturas automóveis ligeiras novas.

Na locação financeira, a leitura do total de ligeiros e pesados revela uma redução de quase 900 veículos financiados, num total de 12 279 viaturas. Este desempenho acompanha a tendência do mercado total de viaturas em Portugal neste período. “Dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) apontam para uma redução na matriculação de ligeiros e pesados de 9,4% no 1º semestre de 2022”, indica a ALF.

Ora, a escassez de automóveis revelou-se menos penalizadora para o sector do Renting, que cresceu 11,4% em número de viaturas novas, para 13.569 unidades, entre janeiro e junho. Estas viaturas ascenderam a 326,4 milhões de euros, crescendo 19,9% em relação ao valor do período homólogo de 2021.

Em relação a 2019, “o sector mostra uma resiliência acrescida ao registar, até ao final de junho, um crescimento no valor das viaturas adquiridas na ordem dos 9,1%. A frota gerida pelas empresas de Renting ascendeu a perto de 124 mil viaturas, um crescimento de 4,1% e 7,2%, em relação ao 1.º semestre de 2021 e 2019, respetivamente. O desempenho em contraciclo com o mercado automóvel nacional comprova a crescente adesão de empresas e particulares ao modelo do Renting”, lê-se no documento.

O presidente da ALF, Luís Augusto, destaca que “a guerra na Ucrânia, a persistente subida da inflação e os previsíveis riscos da rutura do fornecimento de gás à indústria e às famílias nas maiores economias europeias, não tiveram no primeiro semestre um efeito retardador da recuperação do financiamento especializado no seu todo. Ainda que o Leasing denote aparentes efeitos adversos na aquisição de viaturas, devido à crise dos semicondutores, o Renting tem conseguido, através de uma boa gestão e da adaptabilidade do sector, manter o crescimento”.

“As associadas da ALF têm acompanhado a melhoria da economia nacional, reforçando o seu contributo para a boa gestão da tesouraria das empresas através do Factoring e para a formação do PIB português no cômputo dos três produtos”, conclui.

Recomendadas

Sindicatos atentos ao fundo pensões do BCP

Os Sindicatos Verticais da Banca asseguram aos associados do BCP que tudo farão “na defesa dos seus interesses no Fundo de Pensões do banco”.

BCE vigia 31 bancos por riscos associados à subida das taxas de juro

Banco Central Europeu lançou uma revisão dos riscos de taxa de juro e spread de crédito para avaliar a exposição dos bancos. Numa primeira fase irá monitorizar 31 instituições financeiras

CP transportou 70 milhões de passageiros e supera valores de 2019 no primeiro semestre de 2022

A CP – Comboios de Portugal registou, no primeiro semestre de 2022, um aumento da procura de 77,5%, quando comparado com o período homólogo de 2021, o que se traduz em cerca de 70 milhões de passageiros transportados.
Comentários