Alstom abre novo centro de engenharia no Porto

Localizado na Maia, no distrito do Porto, o novo centro integra-se na estratégia de expansão da empresa em Portugal. Vai empregar de início 25 técnicos superiores. O grupo francês vai também colaborar com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

O grupo de origem francesa Alstom, líder global em mobilidade sustentável e inteligente, acaba de abrir um novo centro de engenharia e inovação, na Maia, como parte do “compromisso de reforçar a sua presença em Portugal e prestar um serviço melhorado aos seus clientes e projetos no país”.

O diretor-geral da Alstom Portugal, David Torres, disse ao Jornal Económico (JE) que é possível no futuro que o grupo coloque a possibilidade de replicar este investimento – o que fica dependente da evolução da mobilidade ferroviária em Portugal. “Acredito na alta velocidade e na capacidade de esta opção” trazer um desenvolvimento substancial à economia do país, disse ainda.

As novas instalações da Alstom na Maia terão como principal missão desenvolver soluções de alta tecnologia na área da mobilidade digital e da sinalização, tanto para o mercado português, como para os projetos internacionais da Alstom em todo o mundo. Neste contexto, David Torres considera que o investimento – cujo montante não quis adiantar – pode ter um impacto muito positivo no segmento das exportações.

Com uma área total de aproximadamente 460 m2 e uma equipa inicial de 25 engenheiros e técnicos, o centro tem um ambicioso plano de crescimento para os próximos anos, revela ainda o grupo. As instalações incluem também um armazém com capacidade para armazenamento e reparação de componentes.

Por outro lado, a Alstom irá colaborar com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) na preparação de um programa de mestrado com foco na mobilidade inteligente e sustentável. “O objetivo é o de promover uma nova geração de graduados com talento, capazes de conceber e desenvolver tecnologias, produtos e sistemas avançados para um futuro sustentável”, refere.

Para David Torres, “com base na experiência proporcionada pelo seu extenso portfólio, a Alstom visa dinamizar o setor ferroviário em Portugal, trazendo a sua ‘expertise’ no desenvolvimento de soluções de mobilidade sustentável. A empresa está fortemente empenhada no mercado português, contribuindo ativamente para o desenvolvimento da indústria e da economia locais”.

A Alstom está presente em Portugal há mais de 30 anos e segundo dados do grupo dois em cada três comboios em circulação no país foram fabricados pela Alstom ou com tecnologia Alstom, incluindo comboios de alta velocidade, regionais, metropolitanos e elétricos. No âmbito digital, mais de 1.500 km da rede ferroviária portuguesa e mais de 500 unidades de bordo são geridas pelo sistema Convel ATP (Automatic Train Protection) da Alstom, uma solução de sinalização desenvolvida especificamente para o mercado português.

No panorama da mobilidade urbana, a Alstom ficou encarregue do sistema de sinalização do Metro do Porto e dos 102 comboios que servem a rede, fornecendo igualmente o sistema ATP instalado a bordo dos 18 comboios recém-adquiridos pelo operador.

Internacionalmente, a Alstom tem 150 mil veículos em circulação em todo o mundo. Em 2021, foi incluída nos Índices Dow Jones de Sustentabilidade, a nível mundial e na europa, pela 11ª vez consecutiva. As receitas consolidadas do grupo atingiram os 15,5 mil milhões de euros no ano fiscal findo a 31 de março de 2022. A Alstom está atualmente presente em 70 países e emprega mais de 74.000 pessoas.

Recomendadas

Premium“A operação da TAP é estratégica para o Brasil”, diz presidente da Embratur

Portugal é um “país-chave para a entrada de europeus no Brasil e de brasileiros na Europa”, diz Silvio Nascimento, que espera que a TAP possa não só manter como aumentar o número de rotas, mesmo após o processo de reestruturação.

Empresa do ministro das Infraestruturas e da Habitação e do seu pai fez contrato com o Estado

 Segundo o jornal ‘online’ Observador, o contrato com o Estado feito pela Tecmacal “constitui uma incompatibilidade de acordo com a lei que estabelece o regime do exercício de funções por titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”.

Sindicatos avançam com proposta de greve nos CTT a 31 de outubro e 2 de novembro

Os sindicatos que representam os trabalhadores dos CTT avançaram com uma proposta de greve nos dias 31 de outubro e 2 de novembro, em protesto pelos “7,50 euros de aumento imposto” pelo grupo aos funcionários, segundo um comunicado.
Comentários