Alta cozinha portuguesa tem “futuro muito promissor”

A diretora comercial do Guia Michelin Espanha e Portugal, que atribuiu estrelas a 14 restaurantes portugueses, considerou que a gastronomia nacional está marcada pela “diversidade e criatividade” e tem “um futuro muito promissor”. A edição de 2015 do guia, apresentada na quinta-feira à noite em Marbella, Espanha, distingue 14 restaurantes portugueses, mais dois que no […]

A diretora comercial do Guia Michelin Espanha e Portugal, que atribuiu estrelas a 14 restaurantes portugueses, considerou que a gastronomia nacional está marcada pela “diversidade e criatividade” e tem “um futuro muito promissor”.

A edição de 2015 do guia, apresentada na quinta-feira à noite em Marbella, Espanha, distingue 14 restaurantes portugueses, mais dois que no ano passado.

A diretora comercial do “guia vermelho” da Península Ibérica, Mayte Carreño, defende ainda que a cozinha portuguesa “está de plena saúde”, considerando  que a alta cozinha praticada em Portugal tem hoje “muita diversidade e muita criatividade”, acrescentando que “há muito trabalho bem feito e muito profissionalismo”.

Das distinções anunciadas na quinta-feira à noite, Mayte Carreño destacou a segunda estrela atribuída ao Belcanto, de José Avillez, que se tornou o primeiro chefe de cozinha português a conquistar esta classificação, que chega também pela primeira vez a Lisboa.

Questionada sobre críticas de que Portugal é menosprezado pelo Guia Michelin, nomeadamente por não haver inspetores portugueses, Mayte Carreño disse que “a equipa é comum a Espanha e a Portugal e viaja” em ambos os países.

A diretora comercial da edição da Península Ibérica sublinhou que o objetivo do guia é “dar visibilidade ao invisível”.

OJE/Lusa

 

Recomendadas

Excendente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.

CAP contesta que tese de que subsídios dados aos agricultores sejam “perversos”

“A temática da água, do seu bom uso e utilização como recurso, é um assunto levado muito a sério pelos agricultores e demasiado importante para se subordinar a declarações falsas e difamatórias de um único responsável”, refere a confederação em resposta a Joaquim Poças Martins.