Alterações climáticas deverão penalizar PIB mundial em 4%

Nos últimos dez anos, as tempestades, incêndios e inundações causaram perdas de cerca de 0,3% do PIB por ano a nível mundial.

As alterações climáticas deverão penalizar o PIB mundial em 4% até 2050, de acordo com um estudo da S&P Global que analisa o impacto da subida do nível do mar, do surgimento de ondas de calor, secas e tempestades mais regulares em 135 países, que serão afetados de forma desproporcional.

Partindo de um cenário em que os governos recuam largamente nas novas políticas em matéria de alterações climáticas – conhecidas como “RCP 4.5” pelos cientistas -, estima-se que os países com rendimentos médios e baixos enfrentem perdas do PIB 3,6 vezes superiores em média às dos países mais ricos, segundo a empresa de rating norte-americana.

O risco do Bangladesh, Índia, Paquistão e Sri Lanka perante a ocorrência de incêndios, inundações, grandes tempestades e, também, escassez de água, coloca o PIB da Ásia 10%-18% em risco, aproximadamente o triplo do da América do Norte e dez vezes mais do que o da Europa, que é a região menos afetada.

“Em graus diferentes, esta é uma questão para o mundo”, comentou Roberto Sifon-Arevalo, o principal analista de crédito da S&P.

“Uma coisa que realmente salta à vista é a necessidade de apoio internacional para muitas destas (mais pobres) partes do mundo”, sublinhou o especialista.

A Ásia Central, o Médio Oriente e o Norte de África e as regiões da África Subsaariana também enfrentam perdas consideráveis; os países da Ásia Oriental e do Pacífico enfrentam níveis de risco semelhantes aos da África Subsaariana, mas principalmente devido a tempestades e inundações, em vez de ondas de calor e seca.

Enquanto os países em na zona do equador ou pequenas ilhas tendem a estar mais em risco, as economias mais dependentes de sectores como a agricultura serão provavelmente mais afetadas do que as que têm grandes sectores de serviços.

Nos últimos dez anos, as tempestades, incêndios e inundações causaram perdas de cerca de 0,3% do PIB por ano a nível mundial, segundo a companhia de seguros Swiss Re.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), desastres relacionados com o clima ocorreram diariamente no mundo nos últimos 50 anos, causando 115 mortes e mais de 202 milhões de dólares em perdas diárias.

Segundo Sifon-Arevalo, alguns países já sofreram reduções de notação de crédito devido a condições meteorológicas extremas, tais como algumas ilhas das Caraíbas após grandes furacões.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Medina com “confiança reforçada” na eleição de Leão para o MEE

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse hoje ter uma “confiança reforçada” nas possibilidades de o seu antecessor, João Leão, ganhar a ‘corrida’ à liderança do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), após a “votação pré-indicativa” no Eurogrupo.

Tribunal de Contas destaca atrasos na implementação de medidas para sustentabilidade financeira do SNS

No relatório de acompanhamento da auditoria às contas do SNS e do Ministério da Saúde, o TdC lembra os atrasos em várias medidas que tem vindo a sugerir desde 2015, sublinhando o seu impacto negativo nas finanças nacionais.
Comentários