Altri quer abrir fábrica de fibras têxteis na Galiza

Para preparar a mudança, a empresa já está a cumprir várias etapas, com a realização de estudos sobre o impacto ambiental e planos de engenharia e viabilidade económica.

A Altri, empresa produtora de pasta de papel, pretende estabelecer em Palas de Rei, na Galiza, um projeto de fibras têxteis candidato aos fundos europeus. Ainda assim, as indicações que chegam dos cargos mais altos são de que uma decisão final sobre o investimento naquela região do território espanhol só deverá chegar em 2023, de acordo com o portal “Economía Digital Galicia”.

Para preparar o projeto, a empresa já está a avançar com algumas etapas, como a realização de estudos sobre o impacto ambiental e planos de engenharia e de viabilidade económica.

A subsidiária Altri Participações e Trading solicitou à Augas de Galicia, organismo dependente do departamento de infraestruturas do país vizinho, a captação de águas superficiais do rio Ulla, para proveito da fábrica de fibras têxteis em Palas de Rei. O objetivo passa por captar uma quantidade de até 535 litros de água por segundo.

A Augas de Galicia está a aceitar propostas para o uso de alternativo da mesma água, que irá avaliar depois de fechar o prazo para as candidaturas. Os planos apresentados terão que seguir as linhas do Plano Hidrológico Galiza-Costa.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários