Amanhã às 15h assista à JE editors Talks: Energia Solar

No mês em que se realiza o segundo leilão de energia solar em Portugal, vamos estar à conversa com key-players desta indústria para entender que papel terá o solar no fornecimento de energia renovável no país.

 

A produção e distribuição de energia solar é cada vez mais um tema relevante dentro das diferentes formas de produção de energias provenientes de fontes renováveis. É já no final do mês de agosto que se realiza o segundo leilão para a atribuição de 700 megawatts e, saindo do contexto pandémico, altura de fazer um ponto de situação quanto aos projetos que saíram do leilão de 2019. Além disso, tentaremos perceber o futuro deste tipo de energia no nosso país, enquadrado nos objetivos de desenvolvimento sustentável.

Esta conversa serve de complemento ao caderno Especial sobre o mesmo tema que acompanha a última edição do Jornal Económico e contará com a participação da Axpo e da Iberdrola.

Pode assistir à mesma em direto nos canais digitais do Jornal Económico, no Facebook e na JE TV, às 15h desta quinta-feira, 13 de agosto.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Axpo e Iberdrola.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários