Amazon lança plataforma para atrair PME portuguesas

A Amazon apresenta hoje um novo canal criado para atrair as PME portuguesas, a ferramenta permite às PME beneficiar da rede de logística e distribuição da plataforma de comércio online.

Noah Berger / Reuters

A Amazon lança hoje uma plataforma para atrair pequenas e médias empresas (PME) portuguesas a venderem através das suas plataforma e rede logística europeias, destacando as potencialidades de crescimento, digitalização e internacionalização do negócio, sem investimento, informa a Lusa, citada por outros meios de comunicação social.

“Através de uma simples conta unificada, as pequenas e médias empresas e empreendedores sediados em Portugal poderão listar os seus produtos em qualquer mercado europeu da Amazon e alcançar milhões de novos consumidores. Os empresários podem ainda utilizar a avançada rede de logística europeia da Amazon, através do registo no programa Fulfilment by Amazon (FBA)”, adiantou à agência Lusa fonte oficial da empresa.

A ferramenta que tem o nome de ‘Marketplace’, permite que qualquer empresa ou empreendedor utilize a Amazon como o seu canal de vendas, passando a disponibilizar os seus produtos para os cinco sites da plataforma na Europa – Espanha, Reino Unido, Alemanha, França e Itália.

As PME, poderão ainda aderir ao FBA, o que lhes permite enviar os seus produtos para um dos 31 centros de logística da empresa em sete países europeus, ficando a entrega das encomendas e a gestão do apoio ao cliente a cargo da Amazon. Neste caso, a comissão média cobrada pela empresa de comércio eletrónico é de 15% sobre o valor final do produto (incluindo os gastos de envio).

“Ao facilitar às empresas portuguesas o acesso ao mercado da Amazon é nosso objetivo apoiá-las no crescimento dos seus negócios ao conectá-las com clientes internacionais. Queremos apoiá-los na transição para uma economia digital”, afirma o diretor do serviço de vendas na Europa, François Saugier, citado num comunicado.

Entre o conjunto de ferramentas disponibilizado pela Amazon às empresas portuguesas estão informações sobre os serviços prestados e um manual de instruções (ambos em português), uma conta de vendas, o serviço de entrega FBA, o apoio ao cliente em cinco línguas (inglês, espanhol, francês, alemão e italiano) e o método de pagamento.

“Uma vez submetido um novo produto pelo vendedor, ficará automaticamente disponível em todos os ‘websites’ da Amazon na Europa, dando a oportunidade de alcançar milhões de clientes. As empresas que venderem na Amazon terão ainda acesso a relatórios abrangentes e a ferramentas de análise, pelo que têm acesso a informação em tempo real das suas vendas, o que lhes permite delinear ideias de negócio que os irão ajudar a definir os seus preços, marketing e estratégias de produto de forma mais efetiva”, realça a empresa.

O recurso a este serviço pode significar “um potencial de crescimento interessante” para PME portuguesas de diversos setores, com destaque para a alimentação, vinho, têxtil e calçado.

Dados mais recentes, relativos ao terceiro trimestre de 2016, apontam que “49% das unidades que a Amazon comercializou em todo o mundo foram vendidas por PME” que utilizam esta plataforma como “um canal incremental de vendas”.

Portugal é o terceiro país a receber o Marketplace, depois da Holanda e da Polónia. O número de PME no país e a sua localização periférica no continente europeu foram dois dos motivos para esta aposta da Amazon.

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.
Comentários