“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Redação, 06 dez 2022 (Lusa) – A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Frederik Lojdquist, diretor do Instituto Sueco de Relações Internacionais, explicou que a Suécia, a partir do momento em que a Rússia invadiu a Crimeia em 2014, lançou-se a reconstruir grande parte dos mecanismos de segurança que tinham sido desmantelados com o fim da Guerra Fria, no final dos anos 80.

“A Finlândia manteve algumas dessas infraestruturas, mas a Suécia teve de as começar a reconstruir. E isso é consequência do reconhecimento da ameaça russa, que se acentuou com a recente invasão da Ucrânia”, disse hoje este diplomata sueco, durante uma conferência virtual sobre a “Guerra Híbrida Russa”, organizada pelo Centro para a Análise da Política Europeia (CEPA), em parceria com a embaixada dos Estados Unidos na Suécia, a que a agência Lusa assistiu.

Para Lojdquist, o conceito de guerra híbrida – uma teoria de estratégia militar que conjuga a guerra convencional com a guerra cibernética e outros modos de influência como a diplomacia e a manipulação informativa – obriga a que as políticas de segurança nacionais impliquem tanto a sociedade civil como o Estado, sobretudo quando a ameaça vem de potências como a Rússia.

Hana Shelest, investigadora ucraniana do CEPA e a segunda palestrante na conferência, defendeu a ideia de que a ameaça russa obriga os países vizinhos, nomeadamente os nórdicos e os do Báltico, a reinventarem o conceito de Defesa Total (uma política de defesa que combina o conceito de defesa civil e de defesa militar).

“A guerra na Ucrânia tem provado que é essencial uma boa articulação do Exército com a sociedade civil. E, no que diz respeito à sociedade civil, o conceito essencial é resiliência. Perante a fórmula da guerra híbrida que estamos a viver na Ucrânia, é crucial que a sociedade civil seja resiliente”, explicou esta investigadora.

Shelest lembrou o exemplo dos proprietários de restaurantes na Ucrânia que, perante a ausência de clientes, em plena guerra, encontraram uma forma de ajudar o esforço de guerra comandando por Kiev.

“Os donos desses restaurantes disseram: ‘vamos começar a alimentar a população afetada pela guerra’. E isso é um exemplo de resiliência e de Defesa Total”, disse a investigadora, concordando com a tese de Lojdquist de que, nos tempos atuais, tudo é cenário de guerra.

Para este diplomata sueco, os países do nórdico-báltico – uma formação de cooperação que desde 1992 incluiu cinco países nórdicos (Finlândia, Suécia, Noruega, Islândia e Dinamarca) e três países bálticos (Estónia, Letónia e Lituânia) – estão a recuperar e a reinventar as infraestruturas de Defesa Total herdadas da Guerra Fria.

Um exemplo desse esforço por parte da Suécia foi a recente criação de um Conselho de Segurança Nacional, cujo objetivo é coordenar os esforços da sociedade civil e das organizações militares, no momento em que a Rússia se afirma como uma ameaça.

Contudo, este diplomata sueco concede que estes esforços de Defesa Total nunca serão eficazes de forma isolada, mas antes lembram a necessidade de cooperação regional e internacional, o que explica as intenções da Finlândia e da Suécia de integrarem a NATO.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.702 civis mortos e 10.479 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Presidente croata condena envio de armas ocidentais para a Ucrânia

Zoran Milanovic criticou as políticas ocidentais em relação à Rússia mas também a forma como a Europa está a atuar nos Balcãs. O presidente adverte que é a Europa e não os Estados Unidos que está a pagar a fatura da guerra.

Ucrânia. Presidente checo apoia entrada na NATO e ajuda militar “quase sem limites”

Petr Pavel disse que a ajuda militar à Ucrânia deve acontecer “quase sem limites”, mas tem dúvidas de que os caças F-16 possam chegar a tempo de ajudarem a defender o território ucraniano.

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.
Comentários