Amílcar Cabral era contra divisão étnica de guineenses

“Amílcar dizia-nos que ter uma raça, uma etnia, é bom, mas não é o fundamental. O fundamental é sermos cidadãos guineenses, que não têm vergonha de pertencer a uma determinada etnia”, afirmou o político guineense Iancuba Indjai.

O político guineense Iancuba Indjai, que era próximo do líder independentista Amílcar Cabral morto há 50 anos, afirmou à Lusa que o “pai” da Guiné-Bissau era contra a divisão de cidadãos com base na etnia de cada um.

Em declarações à Lusa, para assinalar o 50.º aniversário do homicídio de Cabral, Iancuba Indjai afirmou que se o revoluncionário estivesse vivo seria contra a tentativa de “alguns políticos” de dividir os guineenses segundo as suas origens étnicas.

“Amílcar dizia-nos que ter uma raça, uma etnia, é bom, mas não é o fundamental. O fundamental é sermos cidadãos guineenses, que não têm vergonha de pertencer a uma determinada etnia. Mas “depois nós temos, dizia isso à nossa geração, de construir uma nação guineense e todos têm de sentir-se guineenses”, afirmou Indjai.

A luta armada pela independência da Guiné e Cabo Verde ainda decorria, já Cabral falava sobre a necessidade da unidade dos povos, sobretudo na Guiné, conhecida por ser um território com mais de 30 grupos étnicos, salientou Iancuba Indjai, que foi estudar aviação na União Soviética por decisão do líder independentista.

De acordo com Indjai, Cabral exigia que nenhum guineense ou cabo-verdiano tivesse complexos das suas origens, mesmo estando perante estrangeiros.

“Esta era aquela parte, digamos, de maior desejo de Amílcar Cabral, nós sermos guineenses. Eu estou a falar de 1969, estou a falar de antes da proclamação do Estado da Guiné-Bissau”, notou Iancuba Indjai.

De etnia Biafada, hoje com 66 anos, Iancuba Indjai é militante e dirigente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), fundado por Amílcar Cabral.

Relacionadas

PremiumAmílcar Cabral, 50 anos após a sua morte

As circunstâncias do assassinato de Amílcar Cabral, a 20 de janeiro de 1973, nas palavras de uma das filhas do líder histórico africano, do atual líder do PAIGC e de vários historiadores, volvidos 50 anos desde a sua morte em Conacri.

Jovens cabo-verdianos e guineenses querem que políticos sigam exemplo de Amílcar Cabral

Cabral “mostrou-nos que a escola é a primeira coisa da vida. Deu aulas na rua, aos nossos pais e aos nossos avós e sensibilizou o povo guineense e cabo-verdiano para mostrar o valor da liberdade nacional”, disse, lamentando que o seu exemplo não seja hoje seguido.
Recomendadas

PremiumFusão da Cabo Verde Telecom adiada

O Jornal Económico sabe que o mês de fevereiro chegou a estar previsto para a concretização da fusão das três operadoras de telecomunicações de Cabo Verde, mas a data ficou sem efeito. Não haverá despedimentos.

Presidente da Guiné-Bissau confiante na criação da moeda de países do oeste africano até 2027

O presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje estar confiante na criação da moeda única da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, denominada Eco, em 2027 e admitiu ser normal as reservas de alguns países.

Congresso brasileiro toma posse, com eleiçao de líderes que definem relação com governo

Vencerá a eleição no Senado o candidato com 41 ou mais votos de um total de 81 senadores.
Comentários