Amorim vende Gierlings-Velpor à suíça Lantal

O grupo de Américo Amorim vende uma empresa que é um dos principais produtores europeus de veludos e de peles sintéticas, de Santo Tirso.

A Lantal Textiles AG e a holding da família Amorim anunciaram hoje um acordo para a aquisição pela Lantal de uma participação de controlo na Gierlings-Velpor (do Grupo Amorim), que é um dos principais produtores europeus de veludos e de peles sintéticas, anuncia o Grupo Amorim em comunicado às redações.

A Lantal é uma empresa têxtil suíça líder na concepção, produção e distribuição de têxteis, peças e serviços para interiores de escritórios, aviões, comboios, autocarros, com forte presença internacional.

O anúncio do acordo é precedido por uma parceria de cinco anos entre a Lantal e a Gierlings-Velpor, que possibilitou à empresa portuguesa produzir  40% do veludo da Lantal para os mercados ferroviário, elétrico e de autocarros.

“Ambas as empresas encaram esta transação como um passo crucial na evolução da Gierlings-Velpor no sentido de promover uma maior proximidade com a sua base de clientes, reforçar a qualidade dos seus produtos e as suas capacidades de inovação, bem como melhorar a penetração no mercado das novas coleções da Gierlings-Velpor nas suas principais áreas de atividade”, refere o comunicado.

Fundada em 1808, a Gierlings-Velpor pertenceu à família Amorim durante quase 30 anos. E é dos principais players europeus de veludo e peles sintéticas para a área de moda, tecidos técnicos, estofos e transporte. A empresa, sediada em Santo Tirso, “é uma fornecedora algumas das mais prestigiadas marcas de moda, design e decoração do mundo”, refere o comunicado do Grupo Amorim.

Recomendadas

Banco de Fomento lança consulta pública para dois novos Programas de co-investimento em PME

Estando ainda disponível o montante de 475 milhões de euros para lançar novos Programas, “o BPF convida as empresas e todos os interessados a participar na consulta pública acerca de futuras soluções de capital e quase capital, com o objetivo de obter contributos sobre as condições de dois Instrumentos Financeiros pré-estruturados destinados a fomentar a constituição de empresas e/ou capitalização empresarial”, revela o banco liderado por Ana Carvalho.

Premium“Somos a ótica das pessoas e que traz o know how francês”, diz CEO do grupo MonOpticien

Em entrevista ao JE, o CEO do grupo MonOpticien, Florent Carriére, explica o modelo de subscrição que traz para Portugal. “O meu concorrente não é a Multióticas, é a a Netflix e o Spotify”, sublinha.

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.
Comentários