Anabela Rodrigues, a primeira mulher a assumir o Ministério da Administração Interna

Anabela Rodrigues, diretora da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é a nova ministra da Administração Interna, substituindo Miguel Macedo, que se demitiu no domingo. É a primeira mulher a assumir a pasta da Administração Interna e a tomada de posse será quarta-feira às 12h, no Palácio de Belém. Anabela Rodrigues é penalista, membro […]

Anabela Rodrigues, diretora da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é a nova ministra da Administração Interna, substituindo Miguel Macedo, que se demitiu no domingo.

É a primeira mulher a assumir a pasta da Administração Interna e a tomada de posse será quarta-feira às 12h, no Palácio de Belém.

Anabela Rodrigues é penalista, membro do Conselho Superior de Magistratura, foi diretora do Centro de Estudos Judiciários (CEJ) e presidiu à comissão de reforma do sistema de execução de penas. A nomeação para o CEJ em 2004 foi feita pelo então ministro da Justiça, José Pedro Aguiar-Branco, agora ministro da Defesa.

 

OJE

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

O Banco de Portugal divulga esta quinta-feira o Boletim Económico de outubro, A expectativa quanto a estas previsões é significante, especialmente depois da pressão do Presidente da República para que o Governo divulgasse as projeções macroeconómicas antes de anunciar o Orçamento do Estado para 2023.

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.