Anacom revela potencial para instalação de centros de tratamento de dados e desenvolvimento da atividade espacial na Madeira e Açores

A Anacom tem a perspetiva de que o investimento no anel CAM (interligação entre o Continente, os Açores e a Madeira) pode potenciar o interesse de uma ligação à América.

Presidente do Conselho de Administração, João Cadete de Matos | Manuel de Almeida/LUSA

O presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) revelou o potencial para a instalação de centros de tratamento de dados na Madeira e nos Açores, bem como o potencial dos Açores para o desenvolvimento da atividade espacial, no âmbito da estratégia do País para o Espaço, a partir da base espacial que está projetada para a ilha de Santa Maria.

João Cadete de Matos falava durante uma audição à Anacom, que decorreu na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação, relativamente ao cabo submarino que faz a ligação entre o território continental, a Madeira e os Açores, e que está em fim de vida.

O presidente do Conselho de Administração da Anacom sublinhou o posicionamento estratégico dos arquipélagos da Madeira e dos Açores, mas que isso por si só não se tem revelado suficiente para atrair investimento para a amarração dos cabos submarinos entre os continentes nessas regiões autónomas.

No entanto, frisou que a Anacom tem a perspetiva de que o investimento no anel CAM (interligação entre o Continente, os Açores e a Madeira) pode, nomeadamente no caso dos Açores, já que a Madeira tem amarração do cabo EllaLink que vem do Brasil, potenciar o interesse de uma ligação à América.

Recomendadas

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.
Deloitte

Confiança das empresas na política fiscal do Governo desceu para mínimos de 2014, revela Deloitte

O estudo da Deloitte conclui “que uma maioria crescente dos empresários portugueses consideram o sistema fiscal complexo e ineficaz”. Sobre a competitividade e atratividade da economia portuguesa, os inquiridos elegem, como áreas de mudança mais importantes para a captação de investimento, a legislação laboral (48%) e a simplificação da burocracia em geral (47%).

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.
Comentários