Análise sobre mutações da Ómicron podem fornecer pistas sobre a sua origem

Os cientistas do Instituto de Doenças Infeciosas e Medicina Molecular da Universidade da Cidade do Cabo têm três hipóteses sobre como a Ómicron surgiu, uma delas é a possibilidade de ter surgido num animal.

O número de mutações da Ómicron poderá fornecer pistas sobre como a variante se desenvolveu, segundo uma análise da variante da Covid-19 citada pela “Bloomberg”.

A coexistência de mutações do chamado gene ‘S’, que normalmente inibiria a capacidade do vírus de se disseminar sugere que as mudanças estão a funcionar de forma a tornar a variante mais eficaz na propagação, de acordo com as conclusões de um grupo de cientistas liderado pelo professor Darren Martin do Instituto de Doenças Infeciosas e Medicina Molecular da Universidade da Cidade do Cabo.

“Embora individualmente as mutações possam diminuir a aptidão de qualquer genoma, coletivamente podem compensar os défices umas das outras de forma a produzir um genótipo do vírus mais apto”, concluíram os cientistas.

Assim, os investigadores acreditam que a variante poderá ter surgido numa área onde a vigilância genómica é baixa ou as pessoas têm pouco acesso aos cuidados de saúde. Alternativamente, a Ómicron pode ter-se desenvolvido numa pessoa imunossuprimida, que teria abrigado o vírus por um longo período, permitindo a sua mutação.

Existe ainda uma terceira hipótese, a de que o vírus poderá ter surgido na população animal, sofrido a mutação e, em seguida, reinfectado humanos.

A Organização Mundial da Saúde e especialistas em saúde por todo o mundo já tinham alertado que a falta de acesso às vacinas em África e a incapacidade de algumas nações em administrá-las poderiam levar ao surgimento de mutações da Covid-19.

Apenas 7% da população mundial, ou seja, 1,2 mil milhões de pessoas está totalmente vacinada, em comparação com cerca de 69% no Reino Unido. A República Democrática do Congo, uma nação de 100 milhões de pessoas, imunizou apenas 0,1% da sua população.

Em Portugal 87,9% da população está vacinada e até ao momento foram detetados 34 casos da variante Ómicron.

Relacionadas

Criadora de vacina anti-Covid avisa que futuras pandemias podem ser mais letais (com áudio)

Relativamente à Ómicron, a cientista ressalva que até existir mais informação as pessoas devem ser “cautelosas e tomar medidas para desacelerar a disseminação desta nova variante”.

Anthony Fauci: “Não se pode dizer que a variante Ómicron apresente um alto grau de gravidade”

“Claramente, na África do Sul, a Ómicron está a propagar-se mais”, disse o epidemiologista em entrevista à CNN, numa alusão aos casos de covid-19 associados a esta nova variante. “Mas, até agora, mesmo sendo muito cedo para tirar conclusões definitivas, não se pode dizer que apresente um alto grau de gravidade”, declarou. “Até ver, os sinais sobre a gravidade são algo encorajadores”, repetiu.

Covid-19: Identificados 34 casos da variante Ómicron em Portugal, segundo o relatório das “linhas vermelhas”

Portugal regista 34 casos associados à variante Ómicron do coronavírus, todos assintomáticos ou com sintomas ligeiros de Covid-19, indicam as “linhas vermelhas” da pandemia divulgadas esta sexta-feira.
Recomendadas

Espanha prepara-se para anunciar fim do uso de máscaras nos transportes públicos

A proposta vai ser apresentada no Conselho de Ministros no dia 7 de fevereiro.

Fim súbito da política de ‘zero casos’ é desafio de credibilidade para Pequim, diz investigador

“Até para a propaganda do regime é desafiante construir uma narrativa coerente sobre o que está a acontecer”, descreveu Yanzhong Huang, que dirige a pesquisa em assuntos de saúde global no Conselho de Relações Externas, um centro de reflexão (‘think tank’) com sede em Nova Iorque.

Covid-19. Administração da ULS Baixo Alentejo vai ser julgada em Beja devido a vacinas

O julgamento envolve seis arguidos e está previsto começar em 13 de fevereiro, às 09:30, decorrendo no juízo local criminal do Tribunal de Beja, indicou hoje à agência Lusa fonte judicial.
Comentários