Análise Visual de Dados: uma ferramenta também para startups!

Mais do que nunca, as empresas dispõem de um enorme número de informações provenientes das mais variadas fontes, internas e externas, que lhes permitem tomar decisões estratégicas sustentadas.

No entanto, o ritmo do mercado está também mais acelerado do que nunca e o tempo para a análise de toda a informação disponível é diminuto. De acordo com um estudo realizado pela IDC (International Data Corporation), 42% dos gestores tem apenas 24 horas para tomar uma importante decisão.

Mais informação e menos tempo é a realidade. Interpretar toda a informação disponível em tempo útil é o desafio que se impõe a empresas de todas as dimensões, sendo este um fator ainda mais decisivo para o sucesso daquelas que agora iniciam a sua atividade, tentando destacar-se das demais através da introdução no mercado de produtos inovadores.

Com toda a informação com que uma startup tem de lidar, é-lhe essencial dispor de uma tecnologia de apoio na análise, interpretação e compreensão dos dados para, assim, conseguir responder da melhor forma aos desafios e obstáculos iminentes e obter uma posição competitiva no mercado.

Felizmente, existe tecnologia disponível na área da análise visual de dados a que as startups podem recorrer para melhor compreenderem a direção que a empresa deve tomar e respetivas metas de negócio.

Como ferramenta de Bussiness Intelligence, a Análise Visual de Dados transforma dados em gráficos visuais e dinâmicos, que dão significado a toda a informação proveniente das diferentes fontes, identificando relações escondidas que resultam em verdadeiro conhecimento para melhorar a qualidade da tomada de decisão.

A destacar ainda, no que às vantagens desta tecnologia diz respeito, é a possibilidade de nos permitir contar uma história, o storytelling aplicado à análise de dados. No final, as empresas passam a ver a história completa existente nos seus dados, podendo construir e navegar através dos dados como se fossem imagens e palavras, construindo a sua própria história e argumentos, tão necessários para aqueles que agora se lançam no mercado com ideias inovadoras.

As organizações estão a fazer grandes progressos na utilização de tecnologia para analisar dados. Umas das grandes tendências do Business Intelligence para 2016 é precisamente o facto do Big Data passar a ser uma realidade, à medida que cada vez mais organizações, conduzidas pelo processo de Transformação Digital, fazem da análise visual de dados uma prática, integrando novas fontes de dados como, por exemplo, informação financeira proveniente de fontes externas, o que sem sombra de dúvida resulta num cenário mais rico e complexo.

Algumas organizações data-driven (orientadas por dados) têm revelado características que fazem delas mais eficientes e produtivas, como: o foco nos colaboradores, pois são eles que, em última análise, decidem; decisões ágeis e tomadas num curto período de tempo (24h); e garantir que a análise de dados é o centro de qualquer tomada de decisão.

A tecnologia que permite efetuar a análise de dados deve por isso poder ser utilizada por qualquer utilizador dentro de uma organização, com mais ou menos conhecimentos informáticos, permitindo investigar todas as associações possíveis existentes nos dados.

Por outro lado, deve responder ao que está a acontecer, porque acontece e como a situação pode evoluir no futuro. Uma verdadeira visão holística sobre toda a informação que permite a empresas de qualquer setor de atividade e de qualquer dimensão tomar melhores decisões estratégicas!

Artigo escrito por Carlos Jerónimo, Sales Manager da Qlik Portugal

Recomendadas

Startup de Braga cria dispositivo que permite testar sangue em três minutos

A solução desenvolvida pela CRIAM é portátil e “80% mais barata que os equipamentos convencionais”. A startup diz que reduz o erro humano e a dependência de reservas de sangue e que é aplicável em situações de emergência.

Pampilhosa da Serra vai construir edifício destinado a ‘startups’ na área espacial

A Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra, vai construir um edifício, orçado em dois milhões de euros, para fixar ‘startups’ na área das ciências espaciais.

Fundo dos CTT participa em investimento de 5,2 milhões da startup luso-americana Habit

O fundo de 5 milhões de euros TechTree, lançado pelo operador postal, investiu na ronda da Habit, depois de ter apostado nas empresas Kit-AR e na Sensefinity, ligadas à Realidade Aumentada e sensorização logística.