Analistas estimam queda do desemprego no terceiro trimestre

A taxa de desemprego deverá descer ligeiramente no terceiro trimestre deste ano face ao segundo, afirmam analistas contactados pela Lusa, alertando para eventuais impactos no emprego devido à resolução do BES e ao abrandamento económico na zona euro. O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga na quarta-feira as estatísticas do emprego relativas ao terceiro trimestre […]

A taxa de desemprego deverá descer ligeiramente no terceiro trimestre deste ano face ao segundo, afirmam analistas contactados pela Lusa, alertando para eventuais impactos no emprego devido à resolução do BES e ao abrandamento económico na zona euro.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga na quarta-feira as estatísticas do emprego relativas ao terceiro trimestre de 2014. No segundo trimestre, a taxa de desemprego caiu para os 13,9%, uma queda homóloga de 2,5 pontos percentuais e um recuo de 1,2 pontos face ao trimestre anterior, anunciou o INE em agosto.

Num comentário à Lusa, a economista do departamento de Estudos Económicos e Financeiros do banco BPI Paula Carvalho prevê uma ligeira redução da taxa de desemprego para 13,8% no terceiro trimestre, destacando a melhoria no mercado de trabalho e o aumento do emprego, mas também “o recuo da população ativa”, motivado por “movimentos migratórios”.

Paula Carvalho afirma que o “terceiro trimestre tem tipicamente uma sazonalidade desfavorável” que, admite, “poderá ser agravada pelo episódio de resolução do BES, com eventual impacto no adiamento de decisões de contratação”.

Também o presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros, Filipe Garcia, antecipa “mais uma descida” na taxa de desemprego, que, justifica, “decorre do contexto de crescimento ligeiro da economia e da melhoria na confiança dos agentes económicos”.

Ainda assim, o economista recorda que o desemprego “é um indicador desfasado da evolução do Produto Interno Bruto” e que, por isso, “não deverá ainda registar o impacto da desaceleração económica que está a ocorrer na zona euro”.

“A taxa de desemprego poderá continuar a descer, mas será muito difícil regressar aos níveis registados antes da crise, dadas as alterações estruturais que ocorreram”, afirma Filipe Garcia.

Também o economista do departamento de Estudos do banco Montepio José Miguel Moreira antecipa “uma nova redução da taxa de desemprego (não ajustada de sazonalidade) de 13,9% para 13,8%” no terceiro trimestre, “contabilizando assim quedas nos últimos seis trimestres, após sete trimestres de subidas”.

O desagravamento do desemprego leva o Montepio a rever ligeiramente em baixa as previsões para a taxa de desemprego em 2014, de 14,3% para 14,2%, o que representa uma diferença de dois pontos percentuais face ao ano passado, apontou o analista.

OJE/Lusa

Recomendadas

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.

Governo quer atualizar os escalões do IRS em 5,1% em 2023

O Governo decidiu rever em alta o referencial dos aumentos salariais, puxando-o para o valor do aumento da massa salarial da Função Pública: 5,1%. Será esse o número que será usado para atualizar os escalões do IRS.