ANAREC diz que fixação de margens no preço dos combustíveis desvia atenção da sobrecarga fiscal

“O parecer da Autoridade da Concorrência não vem mais do que confirmar a posição da ANAREC, designadamente quando num comunicado de 14 de julho salientou que ‘a maioria dos empresários do sector vive hoje com grandes dificuldades devido à menor rentabilidade, porque as estruturas de custos se têm agravado ao longo dos anos'”.

A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) lamenta que nem o parecer da Autoridade da Concorrência (AdC) tenha impedido a aprovação da lei de fixação de margens máximas de comercialização para os combustíveis simples e GPL em garrafa. O Parlamento aprovou na sexta-feira esta limitação depois de o Governo ter proposto esta iniciativa em julho.

“O parecer da AdC, enviado para os grupos parlamentares na semana transata, e ainda antes da votação, não impediu, infelizmente, a aprovação desta medida, que mais não faz do que desviar a atenção do consumidor final da verdadeira razão do preço dos combustíveis ser tão elevado: a carga fiscal elevadíssima e o aumento do sobrecusto da incorporação de biocombustível”, escreve o presidente da direção da ANAREC, Francisco Albuquerque, em comunicado.

A organização admite que se revê “em grande parte” nos comentários realizados pela AdC, onde a entidade transmite “o receito” de “uma intervenção legislativa de imposição de preços e/ou margens máximos pode, em qualquer sector, trazer alguns riscos em termos de condições de concorrência no mercado”.

De acordo com a ANAREC, a AdC mostrou ainda que “a aplicação de um regime desse tipo poderá resultar num risco de saída de operadores de menor dimensão no mercado, com impacto no grau de concorrência e na capilaridade da rede de postos de combustíveis”.

“O parecer da Autoridade da Concorrência não vem mais do que confirmar a posição da ANAREC, designadamente quando num comunicado de 14 de julho salientou que ‘a maioria dos empresários do sector vive hoje com grandes dificuldades devido à menor rentabilidade, porque as estruturas de custos se têm agravado ao longo dos anos'”.

A associação aponta que “num mercado concorrencial e livre como o dos combustíveis é (ou deveria ser), nada justifica as sucessivas intervenções legislativas do Governo. Reiteramos que em nenhum outro sector assistimos a tamanha inferência por parte da tutela”.

“Se atentarmos na decomposição do preço dos combustíveis divulgada pela ENSE, constatamos que o item que mais influencia o preço final do produto é a carga fiscal, seguindo-se a cotação e frete, a componente da incorporação dos biocombustíveis, e por fim, as margens brutas de comercialização, que também englobam custos. Em vez de se preocuparem com o item que tem o principal peso no preço final dos combustíveis – impostos – está a tutela interessada somente em interferir na margem de comercialização que, reitera-se, integra diversos custos, como o transporte do combustível; os custos de funcionamento dos postos; os salários dos trabalhadores, etc”, escreve o presidente da direção em comunicado.

A entidade assume que a rede de revenda combustíveis também está preocupada com as “consequências nefastas” desta nova lei. A associação aponta que um grupo de associados já manifestou a possibilidade de encerrar temporariamente os postos a nível nacional como forma de protesto “caso esta medida venha efetivamente a ser implementada e se revele penalizadora das atividades dos revendedores”.

A ANAREC nota ainda que a responsabilidade das consequências que podem surgir no âmbito da fixação das margens máximas é do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, e de todos os grupos parlamentares que apoiaram a medida, bem como os que optaram pela abstenção.

A medida foi aprovada no Parlamento no passado dia 17 de setembro, com votos contra do CDS, Chega e Iniciativa Liberal, e apenas com a abstenção do PSD. De acordo com as contas do Governo, esta limitação permite a descida de nove cêntimos por litro de gasolina e de um cêntimo por litro no gasóleo.

Relacionadas

Concorrência alerta que limitar as margens das petrolíferas pode prejudicar empresas mais pequenas

A Concorrência alerta que a imposição de limites pode provocar o encerramento de postos de combustível, revela a “TSF”.

Parlamento aprova limites às margens das petrolíferas e gasolineiras

A proposta do Governo que visa a introdução de limites às margens das petrolíferas foi hoje aprovada pelo Parlamento e vai ser discutido agora na especialidade.

Parlamento debate e vota diploma para limitar margens nos combustíveis. Veja em direto

Os deputados votam esta sexta-feira, no parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos. Veja em direto.

Parlamento vota hoje diploma para limitar margens na comercialização de combustíveis

Os deputados votam hoje, no parlamento, o diploma do Governo para limitar as margens de combustíveis, assim como uma série de outras propostas sobre energia, da responsabilidade de vários partidos.

Postos de combustível em Portugal com quebra de 20% na faturação em 2020

O mercado português registou uma quebra de 13,3% para 5,26 milhões de toneladas nas vendas de gasóleo e gasolina.
Recomendadas

TAP: PS esclarece que viabilizará proposta de inquérito do BE com abstenção

O Grupo Parlamentar do PS esclareceu que viabilizará a proposta de inquérito parlamentar do Bloco sobre a TAP através da abstenção, corrigindo a posição assumida pelo deputado Carlos Pereira.

EDP já instalou mais de 700 mil painéis solares nas casas de famílias na Ibéria

A EDP explica que “estas famílias conseguem uma poupança média de até 30% ou mesmo 70% quando agregado a uma bateria de armazenamento. A produção de energia gerada nestas instalações seria suficiente para abastecer com energia renovável 500 mil pessoas por mês, o equivalente a fornecer apenas com energia solar toda a população de Lisboa”.
litio

Lítio: Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina em Montalegre

A Lusorecursos Portugal Lithium confirmou um parecer favorável por parte da Comissão de Avaliação da Mina do Romano, que dá luz verde à exploração mista de lítio (céu aberto e subterrânea) em Montalegre.
Comentários