André Ventura “confiante” que parlamento vai aceitar suspensão do mandato de deputado

O candidato presidencial André Ventura mostrou-se “confiante” que o parlamento vai esta terça-feira votar favoravelmente o seu pedido de suspensão temporária do mandato como deputado, para que no próximo mês possa conduzir as ações de campanha.

Mário Cruz/Lusa

“Apesar de reconhecer que a questão não está totalmente prevista no estatuto dos deputados, se o parlamento não me der essa suspensão o Chega fica sem voz na Assembleia da República e sem poder participar em debates importantes em questões como a eutanásia, o Novo Banco ou o Estado de emergência. Isso seria injusto”, disse André Ventura à agência Lusa.

O candidato presidencial apoiado pelo Chega disse esperar que “haja bom senso” na análise da questão, para que o seu lugar na Assembleia da República possa ser ocupado temporariamente por Diogo Pacheco Amorim.

“Não se justifica criar um problema quando a lei é clara que ninguém pode ser prejudicado por se candidatar. Vou aguardar, mas estou confiante, e por muito que o parlamento possa não gostar de mim, acho que tem bom senso, e espero que a campanha [presidencial] não seja feita de casos”, acrescentou.

André Ventura abordou este tema na segunda-feira à noite, numa ação de pré-campanha na Póvoa de Varzim, organizada pela distrital do Porto do Chega, onde assumiu que o primeiro objetivo para o sufrágio presidencial é garantir a disputa de uma segunda volta com o atual Presidente, e também candidato, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Reconheço que será difícil, e que as sondagens até mostraram que numa segunda volta eu seria o candidato com mais dificuldades frente a Marcelo Rebelo de Sousa, mas também sou o que tem de mais probabilidades de o conseguir. Os debates serão fundamentais, assim como as ações de campanha”, analisou.

André Ventura mostrou confiança que ficará “à frente de Ana Gomes” e que o Chega “poderá ficar com metade do eleitorado do PSD”, pretendendo capitalizar esses eventuais resultados para as próximas eleições legislativas.

“O nosso desafio, independentemente de quem ganha as eleições, e o mais provável é que seja Marcelo Rebelo de Sousa, é que o eleitorado de direita se fidelize no Chega após as presidências e que estas eleições possam ser uma antecâmara para as legislativas”, partilhou.

O dirigente do Chega mostrou-se satisfeito com uma recente sondagem encomendada pela televisão TVI e o jornal Observador, que o colocam como o terceiro candidato com mais intenções de voto para as eleições presidenciais de 24 de janeiro.

“Sou muito prudente em relação às sondagens, mas mostram que somos a terceira força [política] consolidada em Portugal. Temos muito trabalho a fazer, pois o partido ainda não tem estrutura consolidada no país. Não nos podemos iludir com sondagens, mas recebi os resultados com agrado”, afirmou André Ventura.

À margem dos assuntos eleitorais, o elemento do Chega comentou o desenrolar do processo de vacinação contra a covid-19, deixando reparos à fase “tardia” com que a vacina chegará a grupos vulneráveis.

“Não quero ser muito crítico, mas acho que o aspeto mais negativo é no atraso para chegar aos setores mais vulneráveis, como os idosos ou doentes crónicos, que nos outros países não está a acontecer. Mas o que espero é que corra tudo bem e que possamos, rapidamente, regressar à vida normal”, concluiu.

Relacionadas

Presidenciais: André Ventura vai gastar o triplo de Ana Gomes e seis vezes mais que Marcelo Rebelo de Sousa

A estrutura do deputado único do partido da extrema-direita parlamentar prevê gastar 25 mil euros só na “conceção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado” e valor semelhante em “propaganda, comunicação impressa e digital”.
andre_ventura_legislativas_voto

André Ventura: “Algum eleitorado de Marcelo será capaz de votar em mim para primeiro-ministro”

Líder e deputado único do Chega admite que vitória de Marcelo Rebelo de Sousa é o cenário mais provável a 24 de janeiro e antecipa uma Quarta República que pode começar com um acordo de governo com o PSD. “Esta candidatura, ao contrário de outros partidos e de outros protagonistas, nunca escondeu ao que veio”, defende.
André Ventura no Infarmed

André Ventura: “O Presidente tem de estabelecer orientações rígidas na execução dos fundos”

Candidato presidencial considera que Marcelo Rebelo de Sousa faz “um jogo perígoso” ao mostrar-se demasiado próximo do Executivo de António Costa. E diz que o atual chefe de Estado “defraudou as expectativas do eleitorado” ao fazer pouco pelos sectores económicos mais afetados pela pandemia.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Novo aeroporto. Quem decide a localização é o Estado e o Governo, frisa Pedro Nuno Santos

O ministro das Infraestruturas afirmou hoje que quem vai escolher a localização do novo aeroporto é o Estado e o Governo, e não nenhuma empresa, nomeadamente a ANA – Aeroportos de Portugal, que tem a concessão do aeroporto Humberto Delgado.

Aeroporto Humberto Delgado precisa de obras “já” para aumentar a fluidez, diz ministro

O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, disse hoje que o aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, precisa de obras “já” para aumentar a sua fluidez, tendo em conta que o novo aeroporto “vai demorar”.
Comentários