Angola. João Lourenço aprova financiamento de 420 milhões para combater seca severa

O Presidente angolano, João Lourenço, aprovou dois acordos de financiamento para a cobertura do projeto de abastecimento de água para o combate à seca severa e às alterações climáticas orçados em 420 milhões de euros.

Segundo o despacho presidencial 236/22 de 05 de outubro, a que a Lusa teve hoje acesso, os dois acordos de financiamento visam a cobertura financeira do Projeto de Resiliência Climática e Segurança Hídrica de Angola (Reclima) a celebrar com a República de Angola e instituições multilaterais.

Com o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) o acordo é novo “valor global de 300 milhões de dólares, equivalente a 267, 9 milhões de euros” e com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) no valor global de 150 milhões de dólares (152 milhões de euros).

Para a materialização do programa de combate à seca severa e às alterações climáticas, a ministra das Finanças, Vera Daves, autorizada pelo Presidente angolano, assinou na quinta-feira, em Luanda, o acordo de financiamento do Reclima com o Banco Mundial.

O Reclima deve melhorar os serviços de abastecimento de água para a segurança hídrica em áreas rurais e urbanas e as autoridades angolanas preveem abranger cerca de 955.000 pessoas.

A iniciativa deve permitir também o acesso à água confiável para beber, pescar, para a agricultura e pecuária a 19.250 pessoas pobres por meio da construção da Barragem de Sendi, na província angolana da Huíla, igualmente afetada pela seca.

Recomendadas

Supremos Tribunais de Justiça lusófonos juntos em São Tomé e Príncipe para debater independência

“O Fórum dos presidentes dos Supremos Tribunais de Justiça dos países e territórios da língua portuguesa é uma efetivação da existência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, a CPLP, pois, a CPLP é muito mais que uma comunidade política, ela deve ter a expressão em todas as áreas de intervenção pública e privada”, declarou o Presidente são-tomense Carlos Vila Nova na abertura do evento.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Angola. Processo de reprivatização da UNITEL já começou (com áudio)

Em outubro, o presidente de Angola anunciou a transferência para o Estado, através de nacionalização, das participações da Vidatel e da Geni na operadora de telecomunicações angolana Unitel, detidas até então por Isabel dos Santos e pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”.
Comentários