Angola. Luaty Beirão pede que deputados eleitos rejeitem mandatos

O ativista e ‘rapper’ luso-angolano Luaty Beirão avisou hoje todos os deputados eleitos nas eleições de 24 de agosto em Angola que aceitarem os seus mandatos “é serem cúmplices de um crime contra o povo angolano”.

A mensagem – “Caros candidatos de todos os partidos, aceitarem os mandatos é serem cúmplices de um crime contra o povo angolano”, escrita a branco sobre fundo negro, – foi hoje publicada pelo ativista na sua conta na rede social Twitter.

Na sua publicação, Beirão defende que “um político aceitar um mandato nestas condições é resignar-se à suspeição, à injustiça e, acima de tudo, aceitar que foi eleito, não pelo povo angolano mas pelo MPLA, pela CNE e pelo Tribunal Constitucional, consumando uma traição à vontade do povo angolano, o Soberano, recusando-lhe o direito de ter a paz de, finalmente, ver os seus votos contarem”.

Em declarações à Lusa, o luso-angolano defendeu que recusar assumir os seus mandatos é “a única coisa coerente” que podem fazer os deputados que alegam que o processo eleitoral foi viciado.

Segundo a ata de apuramento final das eleições gerais de 24 de agosto, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e o seu candidato, o Presidente cessante, João Lourenço, venceram com 51,17% dos votos, seguindo-se a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), com 43,95%.

Com estes resultados, o MPLA elegeu 124 deputados e a UNITA 90 deputados, quase o dobro das eleições de 2017.

A UNITA, que não reconhece os resultados “por serem contrários à vontade expressa pela maioria dos eleitores nas urnas”, e a Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), que não elegeu qualquer deputado, contestaram judicialmente os resultados, mas o Tribunal Constitucional negou provimento aos recursos e validou, na semana passada, os resultados definitivos das eleições.

João Lourenço, reeleito Presidente de Angola para os próximos cinco anos, toma posse na quinta-feira e depois seguem-se os deputados eleitos.

Alguns partidos na oposição manifestam-se divididos sobre se vão ou não assumir os seus mandatos, enquanto a UNITA está a considerar “todos os cenários”, admitindo tomar posse no parlamento angolano.

Embora reconhecendo ser “um bocadinho sem grandes esperanças” de que o seu recado hoje publicado tenha algum efeito, Luaty Beirão disse tratar-se de uma forma de exteriorizar a sua opinião pessoal “enquanto cidadão preocupado com os destinos deste país”.

“A única coisa coerente de quem alega até ao fim que o processo todo foi viciado e que os resultados não são aqueles que estão a ser apresentados oficialmente (…) é não legitimar esses resultados com a sua presença em instituições de brincadeira, instituições falseadas por esses mesmos resultados”, sublinhou o ativista.

Na sua opinião, após não assumirem os seus mandatos, os partidos devem ter “estratégias de luta democráticas que infernizem a vida” ao Presidente e ao Governo por ele nomeado.

“É tornar tudo ilegítimo e fazer mobilizações para greves, manifestações permanentes a cada lei aprovada, a cada decreto que saia, a cada uso do erário feito, tudo deve ser contestado permanentemente todos os dias, até que se torne inviável governar”, defendeu, sublinhando que essa contestação deve ser “sempre pacífica” e sem “nunca recorrer a meios e a expedientes que acabem por contrariar o espírito da não-cooperação”.

Questionado sobre se isso não iria paralisar o país, Luaty Beirão disse que “a ideia mesmo é que o país tem de ser paralisado”.

“O país tem que ser paralisado, porque isto não é um país, isto é fantasia. E se nós queremos sair da fantasia, é preciso que haja coragem e os partidos são instrumentos ao serviço de uma vontade popular e eles melhor do que ninguém têm as ferramentas, a maquinaria e estrutura para fazer esse tipo de exercício”, argumentou.

Defendendo que a sociedade civil angolana “é muito frágil” e “não tem poder convocatório” pelo que “terceiriza essa responsabilidade para partidos políticos”, Beirão lamentou que estes aceitem essa responsabilidade “até ao momento em que são postos na linha de fogo”.

“Quando chega ao momento de tensão, o momento de correr riscos, tiram corpo e vão para o caminho mais confortável (…) porque não são dispostos a enfrentar o combate necessário” para expor “a fraude que é toda esta democracia fingida”.

O ativista afirmou que o processo eleitoral “tinha tudo para ser contestado” antes mesmo do dia 24 de agosto, e lamentou que os partidos que o contestaram tenham embarcado nele, “arrastando com eles as pessoas e fazendo crer que iriam defender a democracia” até às últimas consequências.

Recomendadas

Lavrov acusa os EUA de “brincarem com o fogo” em Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, criticou este sábado os Estados Unidos por terem “brincado com o fogo” em Tawain. Estas declarações foram proferidas num encontro das Nações Unidos. De acordo com a Reuters, o discurso deste responsável russo ficou marcado por duras críticas a Washington, tendo Sergei Lavrov acusado os Estado Unidos […]

Irão promete “resposta proporcional” à redução dos laços com a Ucrânia

A Ucrânia decidiu reduzir os laços diplomáticos com o Irão, depois de ter sido noticiado que esse país forneceu drones à Rússia. Este sábado, o Irão veio prometer uma “resposta proporcional”.

Sondagem: Lula já tem 46% das intenções de voto. Bolsonaro estável nos 35%

Lula da Silva continua a ser o candidato mais popular, na corrida à Presidência brasileira. Tem agora 46% das intenções de voto, estando 11 pontos acima de Jair Bolsonaro.
Comentários