Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.

O relatório mensal da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) informa que Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro, um aumento de 3.000 barris face ao mês anterior.

Os valores publicados com base em dados de fontes secundárias, representam um aumento face aos 1,518 milhões de barris registados em outubro (o valor foi revisto em baixa face aos primeiros dados, que apontavam para uma produção diária de 1,533 milhões de barris).

Segundo o relatório, Angola manteve assim a posição de segundo maior produtor africano de crude, atrás da Nigéria. Durante o ano de 2016 e até maio de 2017, o País liderou a produção de petróleo em África, posição que perdeu desde então para a Nigéria.

O acordo entre os países produtores de petróleo para reduzir a produção e fazer aumentar o preço do barril obrigou Angola a cortar 78.000 barris de crude por dia com efeitos desde 01 de Janeiro de 2017, para um limite de 1,673 milhões de barris diários.

O último relatório da OPEP refere também que, em termos de “comunicações directas” à organização, Angola terá produzido 1,417 milhões de barris de petróleo por dia em Novembro.

Os números apresentados pela OPEP com base em dados de fontes secundárias contrariam assim as “comunicações directas”, que apontam para um corte de 40.000 barris diários na produção angolana em novembro, face a outubro.

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.

Relacionadas

OPEP chega a acordo para reduzir produção em 1,2 milhões por dia

Apesar da pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir o preço do petróleo, a OPEP irá diminuir a produção em 800 mil barris por dia, enquanto o conjunto de países conhecidos como OPEP+ concordou em cortar a produção em 400 mil barris de cortes.

Preços do petróleo disparam 5% com possível acordo da OPEP

Irão terá chegado a acordo com a Arábia Saudita sobre corte de produção do crude, a partir de janeiro. Mercados reagem em alto.
Recomendadas

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.

CAP contesta que tese de que subsídios dados aos agricultores sejam “perversos”

“A temática da água, do seu bom uso e utilização como recurso, é um assunto levado muito a sério pelos agricultores e demasiado importante para se subordinar a declarações falsas e difamatórias de um único responsável”, refere a confederação em resposta a Joaquim Poças Martins.

Goldman Sachs alerta para alastramento da inflação na zona euro e prevê mais 75 pontos nos juros em outubro

A pressão nos preços do bloco da moeda única dá sinais de se alastrar a vários sectores, levando o banco de investimento a rever em alta a sua projeção para a inflação subjacente em 2023. Reunião de outubro do BCE deve trazer nova subida de 75 pontos base, acrescenta.
Comentários