Angola propõe recomprar dívida até 750 milhões e emite até 3 mil milhões na quarta-feira

O Ministério das Finanças de Angola propôs hoje aos credores da dívida a compra antecipada de até 750 milhões de dólares, anunciando também a intenção de emitir, para a semana, nova dívida de até 3 mil milhões de dólares.

O Ministério das Finanças de Angola propôs hoje aos credores da dívida a compra antecipada de até 750 milhões de dólares, anunciando também a intenção de emitir, para a semana, nova dívida de até 3 mil milhões de dólares.

De acordo com a informação enviada aos investidores, o governo pretende antecipar o pagamento de até 750 milhões de dólares [670 milhões de euros] da dívida total de 1,5 mil milhões de dólares [1,35 mil milhões de euros], que vence em 2025 e tem um juro de 9,5%, e da emissão de 1,75 mil milhões de dólares [1,57 mil milhões de euros], que vence em 2028 e tem um cupão anual de 8,25%.

“A República está a oferecer uma recompra em dinheiro de até ao máximo anunciado [750 milhões de dólares] e sujeito às condições apresentadas no memorando, dos títulos de 2025 e de 2028”, lê-se na informação técnica enviada aos credores.

Com esta iniciativa, Angola consegue poupar o pagamento dos juros acordados, perto de 10%, e usa o montante que vai emitir na próxima semana, previsivelmente com uma taxa de juro menor, para saldar a dívida que tinha emitido.

Para além disso, na ideia das autoridades angolanas poderá também estar a vontade de evitar que os investidores fiquem demasiado expostos à dívida angolana, já que alguns que já têm títulos soberanos poderiam não poder comprar mais dívida, para não ficarem sobre-expostos a uma dívida considerada de risco, mas vendendo a dívida atual, ganham liquidez e disponibilidade para comprar mais, ainda que a uma taxa de juro provavelmente menor que a atual.

Na terça-feira, o Deutsche Bank e o Citigroup, mandatados pelo Governo angolano, vão reunir com os investidores, e depois para quarta-feira está então prevista a emissão de até 3 mil milhões de dólares em dívida soberana, conforme despacho presidencial publicado na quarta-feira.

“É aprovada a Estratégia de Gestão Ativa da Carteira dos Eurobonds e em especial o Memorando sobre a Oferta de Aquisição relativo ao resgate antecipado de alguns dos Eurobonds remanescentes emitidos pela República de Angola, e dependendo do nível de procura a emissão de novas séries de Eurobonds até ao montante de 3 mil milhões de dólares”, cerca de 2,7 mil milhões de euros, lê-se no Diário da República de 30 de março.

“A receita proveniente da emissão de Eurobonds destina-se ao financiamento do Memorando, em caso de excedente a financiar o Orçamento Geral do Estado”, acrescenta-se ainda no boletim oficial de Angola.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários