Angola quer trocar experiências com Cabo Verde sobre a infância

A ministra de Estado para Área Social angolana considera que os problemas que afetam as crianças dos dois países são semelhantes, por isso pode haver cooperação no domínio da proteção e inclusão.

A ministra de Estado para Área Social de Angola disse esta quarta-feira que os problemas que afetam as crianças são comuns entre o seu país e Cabo Verde e defendeu trocas de experiências no domínio da proteção e inclusão.

Caroline Cerqueira, que falava aos jornalistas, na cidade da Praia, à margem de uma reunião de trabalho com a ministra da Educação, Família e Inclusão Social cabo-verdiana, Maritza Rosabal, indicou o abandono, o tráfico e o trabalho infantil como os “problemas” que afetam as crianças dos dois países.

“Neste momento, Angola está a realizar uma vasta campanha de vacinação da poliomielite. É a segunda fase e está a envolver todo o país”, afirmou Caroline Cerqueira, salientando que os dados são “muito positivos e encorajadores”.

Segundo a governante angolana, a experiência de Cabo Verde no combate e eliminação da malária pode ser um estímulo e encorajamento para a Angola, uma vez que aquele país tem esta doença como uma das prioridades do ponto de vista da saúde pública.

Para a ministra de Angola, o encontro com Maritza Rosabal foi “muito profícuo”, porque passaram a conhecer os vários programas nos domínios da inclusão social, cadastramento da pobreza, autonomia das famílias, bem como a gratuitidade do ensino e a sua expansão a nível de todo o país.

“Tudo isso dá uma ideia geral de quanto o Governo de Cabo Verde está empenhado em melhorar as condições das mulheres, das famílias e das comunidades em geral”, reconheceu Caroline Cerqueira, para quem a terceira idade é, também, outra vertente que o seu país quer trocar experiências com Cabo Verde.

“A terceira idade merece o nosso carinho e todo o nosso apoio para a sua integração, inclusão e, sobretudo, a sua proteção porque há um grande abandono por parte das famílias. Então, eles têm que encontrar apoios e proteção do Estado”, declarou.

A visita da governante angolana, a convite do ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros local, visa estabelecer intercâmbios de experiências, sobretudo no domínio social. Na manhã de ontem fez visitas de cortesia ao primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, e ao presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

Do programa da visita, constam ainda reuniões de trabalho, esta quinta-feira, com o ministro da Administração Interna de Cabo Verde, Paulo Rocha, e o da Agricultura e Ambiente cabo-verdiano, Gilberto Silva.

Recomendadas

Cabo Verde quer cortar perdas de eletricidade na rede pública em 5,5 pontos em 2023

O Banco Europeu de Investimento vai financiar com 110 milhões de escudos (um milhão de euros) um programa para reduzir em 5,5 pontos percentuais as perdas de eletricidade na rede pública de distribuição em Cabo Verde em 2023, segundo o Governo.

CPLP: presidente da Guiné Equatorial à frente das contagens com 99,7% dos votos

A oposição denúncias fraude em massa e o único partido da oposição recusa reconhecer a vitória do líder octogenário, Teodoro Obiang. Há um mês, a CPLP congratulava-se com a integração do país como “Estado de pleno direito”.

Cabo Verde. Presidente assinala primeiro ano de mandato com críticas à crispação e avisos ao Governo

O Presidente da República cabo-verdiana, José Maria Neves, criticou hoje a “crispação” que permanece na política nacional, alertou que os tempos atuais “exigem consensos” e avisou que não é oposição, mas também não é “claque” do Governo.
Comentários