Angola recuperou 4,6 mil milhões de euros em bens. 19,4 mil milhões aguardam desfecho judicial

O executivo angolano recuperou já 5 mil milhões de dólares (4,6 mil milhões de euros) de ativos retirados ilicitamente do país, enquanto aguarda decisões judiciais relativas a bens no valor de 21 mil milhões de dólares (19,4 mil milhões de euros).

Os dados foram hoje avançados à Lusa por Eduarda Rodrigues, diretora do Serviço Nacional de Recuperação de Ativos (Senra), à margem de uma conferência sobre o confisco de ativos como ferramenta de combate ao crime económico e organizado.

No entanto, este valor representa menos de 20% do valor dos ativos que se pretende recuperar, já que, segundo a mesma responsável, tudo indica que, entre 2001 e 2017, tenham sido transferidos ilicitamente para o exterior do país cerca de 150 mil milhões de dólares (139 mil milhões de euros).

Deste montante, mais de 5 mil milhões de dólares foram efetivamente recuperados e entraram já nos cofres angolanos.

Mas há mais de 21 mil milhões de dólares em ativos apreendidos, quer em Angola, quer no exterior do país que ainda aguardam decisões judiciais.

“É ainda muito pouco face ao que temos pela frente, é uma luta grande”, sublinhou a diretora do Senra, destacando também a cooperação com outros países.

“Temos vários casos: Portugal, até por razões de proximidade, mas também Bermudas, Singapura, Emirados árabes Unidos, Suíça”, afirmou, garantindo que nunca houve recusas de colaboração.

A responsável assegurou que a entidade tem “obtido resultados positivos em qualquer desses países”, referindo que mesmo no Dubai – frequentemente apontado como destino de exílio para pessoas ligadas ao anterior regime e agora na mira da justiça – tem havido resultados.

“Já conseguimos algum fluxo financeiro obtido lá e temos trabalhado noutros âmbitos da cooperação internacional”, disse Eduarda Rodrigues, que salientou, na introdução à conferência, que a cooperação internacional tem sido imprescindível para atingir os objetivos de recuperação de ativos.

A embaixadora da União Europeia em Angola, Jeannette Seppen destacou que a criminalidade organizada “não é um fenómeno do passado”, pois continuam a observar-se casos, sobretudo na área económica, ligados à corrupção, peculato e práticas de branqueamento de capitais, fenómenos que não ocorrem só em Angola, mas “têm ocorrências transacionais, o que coloca desafios redobrados”.

Entre os especialistas que participaram da conferência, organizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Organização das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (ONUDC) em Angola, estiveram magistrados do Ministério Publico e técnicos da Unidade de Informação Financeira e do Instituto de Gestão de Ativos e Participações do Estado (IGAPE), entre outros.

Entre os temas da iniciativa destacaram-se a abordagem aos instrumentos internacionais do confisco de ativos, identificação dos proveitos do crime através de inteligência financeira, mecanismos e obstáculos ao confisco de ativos, bem como as boas práticas na administração de ativos confiscados.

A iniciativa integra-se no âmbito do projeto Pro.React – Projecto de Apoio ao Fortalecimento do Sistema Nacional de Confisco de Ativos em Angola, financiado pela União Europeia (UE), e que tem como objetivo desenvolver um sistema eficaz de combate aos fluxos financeiros ilícitos e contribuir para um maior crescimento económico e para a redução da pobreza em Angola.

Recomendadas

Investimento estrangeiro em Cabo Verde disparou mais de 75% até setembro

De acordo com o mais recente relatório estatístico mensal do Banco de Cabo Verde (BCV), o arquipélago captou de janeiro a setembro de 2022 cerca de 10.640 milhões de escudos (96 milhões de euros) em investimento estrangeiro – sobretudo no setor do turismo -, registo que compara com quase 6.013 milhões de escudos (54,2 milhões de euros) no mesmo período de 2021.

Governo são-tomense anuncia medidas para conter aumento do custo de vida

Além de “fixar em 10% o lucro de venda” desses produtos ao nível do país, o executivo anunciou ainda que assumiu “os custos de transportes” para a ilha do Príncipe, “eliminando toda e qualquer taxa cobrada ao nível dos serviços regionais” para que o preço de venda desses produtos ao consumidor final “reflita as isenções” aplicadas.

Fundo Petrolífero timorense terminou 2022 com mais de 16 mil milhões de euros

Em comunicado, a instituição que supervisiona o FP explica que, no final de 2022, o saldo registava um aumento de 423 milhões de dólares (393,9 milhões de euros) em comparação com os 16,99 mil milhões de dólares (15,82 mil milhões de euros) que se registavam no final do terceiro trimestre.
Comentários