Angola tem o maior nível de crédito malparado dos bancos africanos, realça Moody’s

“Um elevado nível de ativos de risco vai persistir, com os empréstimos problemáticos a chegarem aos 23,8% no final de 2018”, escrevem os analistas da Moody’s num relatório sobre a perspetiva de evolução dos bancos africanos, no qual revê o ‘outlook’ para Negativo.

A agência de notação financeira Moody’s reviu hoje a Perspetiva de Evolução dos bancos africanos, de Estável para Negativa, com Angola a ter o maior rácio de crédito malparado e com possíveis revelações negativas da análise aos ativos.

“Um elevado nível de ativos de risco vai persistir, com os empréstimos problemáticos a chegarem aos 23,8% no final de 2018”, escrevem os analistas da Moody’s num relatório sobre a perspetiva de evolução dos bancos africanos, no qual revê o ‘outlook’ para Negativo.

“A revisão da qualidade dos ativos de 12 bancos pode revelar mais fraquezas nos ativos dos bancos”, alertam os analistas no relatório enviado aos clientes, e a que a Lusa teve acesso.

Na análise referente aos três bancos angolanos que a Moody’s avalia (Banco Angolano de Investimentos, Banco de Fomento Angola e Banco Económico, todos B3, abaixo do nível de recomendação de investimento, à semelhança do que acontece com a dívida soberana angolana), os analistas escrevem que as almofadas de capital podem ser pressionadas devido aos resultados da avaliação, aos requisitos de provisionamento mais elevado e à depreciação da moeda.

Por outro lado, afirmam que a liquidez em moeda externa tem melhorado, “apesar de ainda ser desafiada pela falta de dólares nos bancos”, e elogiam as iniciativas do Governo, que têm “ajudado a fortalecer a estabilidade financeira”.

Entre as medidas elencadas, a Moody’s aponta o planeamento das recuperações, o enquadramento de resolução, a melhoria na governação e a reestruturação dos bancos públicos.

Relativamente ao panorama geral, a agência de ‘rating’ explica que “o ‘outlook’ é negativo devido às condições operacionais mais fracas e ao aumento das pressões sobre a qualidade dos ativos” e acrescenta que “os bancos vão manter a elevada exposição aos seus soberanos, ligando os seus perfis de crédito aos dos seus governos”.

A nível mundial, a economia vai manter-se com um crescimento fraco e a confiança empresarial negativa devido à incerteza sobre a evolução das perspetivas do comércio mundial.

“Em África, a dívida pública é alta e o crescimento do PIB vai continuar abaixo do potencial e insuficiente para aumentar os níveis de rendimento ‘per capita’ e a resiliência económica”, escrevem os analistas, concluindo que “os bancos na África do Sul, Nigéria, Tunísia e Angola vão enfrentar os maiores desafios, enquanto os bancos do Egito, Marrocos, Ilhas Maurícias e Quénia serão os mais resilientes”.

Recomendadas

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.

Credit Suisse desencadeou o processo de venda do Mandarim Oriental Savoy Zurique (com áudio)

O banco tem trabalhado com um adviser para receber manifestações de interesse no famoso hotel, anteriormente conhecido como o Hotel Savoy Baur en Ville, refere a “Bloomberg” que cita pessoas com conhecimento do assunto.

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.
Comentários