Angolana TAAG chega a acordo com a Boeing para pagamento da dívida

As “pendências financeiras” foram geradas sobretudo durante a fase de pandemia, “que afetou a atividade das companhias aéreas a nível global e agravou a dívida a fornecedores”, diz a TAAG.

A TAAG e a fabricante de aeronaves Boeing chegaram a acordo sobre a “resolulaçao de pendências financeiras”, informou hoje a transportadora aérea angolana, sem revelar o montante e a forma de pagamento.

O acordo cria “condições para cooperação ao nível de fornecimento de aeronaves no futuro” e atualiza algumas premissas do Memorando de Entendimento celebrado entre as partes, “indo ao encontro dos interesses da TAAG em obter um ajustamento de ‘pricing’ de serviços mais favorável e alinhado ao contexto atual do mercado da aviação comercial a nível internacional”, afirma a companhia aérea, em comunicado.

As “pendências financeiras” foram geradas sobretudo durante a fase de pandemia, “que afetou a atividade das companhias aéreas a nível global e agravou a dívida a fornecedores”, diz a TAAG.

A TAAG dispunha no final de 2021 de 15 aeronaves do tipo Boeing 777 e Boeing 737 e anunciou recentemente a intenção de reforçar a sua frota no segundo semestre de 2023 com seis novos aviões do tipo Airbus A220 (em regime de “leasing”) “numa perspetiva de longo prazo”.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários