Animais nas estradas provocam mais de 700 acidentes em dois anos

Este ano, até 31 de outubro, a GNR registou já 110 acidentes com vítimas, envolvendo animais, dos quais 70 foram atropelamentos. Desde janeiro 2017 foram contabilizados 734 acidentes de viação.

Desde de janeiro 2017, foram registados cerca de 734 acidentes de viação envolvendo animais. O presidente da Prevenção Rodoviária explica ao ”Jornal de Notícias” (JN) esta quarta-feira, que os números representam uma parte exígua dos acidentes rodoviários, mas que causaram 120 feridos, seis deles em estado grave.

A presença de animais nas vias é ”um problema de segurança rodoviária”, pois ”muitos acidentes decorrem não só nos embates com animais, mas também de súbitas manobras de desvio que podem causar despistes”, cita o ”JN”, um relatório da autoria das Infraestruturas de Portugal que analisa a mortalidade de fauna nas estradas e o impacto das vias na conservação de espécies mais frágeis.

Em 2017, a GNR contabilizou 134 acidentes de que resultaram vítimas, dos quais 92 foram devido a atropelamentos de animais e 42 por outras situações. Este ano, até 31 de outubro, a GNR registou já 110 acidentes com vítimas, envolvendo animais, dos quais 70 foram atropelamentos.

Recomendadas

Eduardo Cabrita é candidato a diretor executivo da Frontex

O ex-ministro da Administração Interna apresentou a sua candidatura individual a este cargo em julho, tendo sido uma das 78 inscrições internacionais à posição máxima neste órgão europeu, avançou a rádio “Renascença” e confirmou o jornal online “Observador”.

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Saiba onde vão estar os radares da PSP neste mês de outubro

A Polícia de Segurança Pública tem uma lista de locais onde haverá operações de controlo de velocidade. Em Lisboa, esta quinta-feira, a ação ocorreu no Arco do Cego. Amanhã o foco será Amadora, Setúbal, Portalegre, Leiria, Bragança, Braga e Beja.
Comentários