Annegret Kramp-Karrenbauer: a “mini-Merkel” que vai herdar a liderança da CDU

Annegret Kramp-Karrenbauer foi esta sexta-feira escolhida para substituir a chanceler alemã no comando dos democratas-cristãos. Saiba quem é a mulher que pode vir a ser a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais importante da Europa.

Annegret Kramp-Karrenbauer nasceu em 1962, no seio de uma família católica, em Saarland, o estado alemão de menor dimensão, situado no sudoeste do país. Enquanto criança, sonhava em ser parteira ou professora, mas foi a paixão pela política e direito que a levaram a ingressar na União Democrática Cristã (CDU), em 1981, com apenas 19 anos.

Depois de concluir um mestrado em ciência política na Universidade de Trier, entrou no política estadual de Saarland. A sua perspicácia e clareza discursiva foi notória e, poucos meses depois, estava a ser escolhida para aconselhar o democrata-cristão Peter Müller nas suas funções como chefe do grupo parlamentar da CDU e ministro-chefe no estado de Sarre.

Mas o Bundestag (a câmara baixa do Parlamento alemão) sempre lhe exerceu um fascínio em Annegret Kramp-Karrenbauer. Em 1998, Kramp-Karrenbauer consegue um assento no parlamento alemão, em substituição de outro deputado. Mas a vitória durou pouco e nas eleições gerais do mesmo ano acabou por perder o lugar, o que a obrigou a regressar à política regional, a casa onde já tinha sido feliz e haveria de ser ainda mais.

Entre 2000 e 2004, Kramp-Karrenbauer serviu como secretária de Estado para assuntos internos no governo de Peter Müller, no estado de Sarre. Mais tarde, foi eleita primeira-ministra do Sarre, tornando-se a primeira mulher a ocupar esse cargo em toda a Alemanha. O seu mandato enquanto primeira-ministra do Sarre terá durado de 2011 a 2018.

Durante esse período, Annegret Kramp-Karrenbauer terá apoiado as políticas de imigração da chanceler alemã e fez parte da organização da campanha eleitoral de chanceler alemã, Angela Merkel, às eleições do ano passado. Em fevereiro deste ano foi indicada por Angela Merkel para o cargo de secretária-geral da CDU. A subida à liderança dos democratas-cristãos deu-se num ápice.

Apelidada de “mini-Merkel”, Annegret Kramp-Karrenbauer foi eleita esta sexta-feira como líder do Partido da União Democrata-Cristã (CDU) na Alemanha, colocando fim a 18 anos de Angela Merkel. A candidata à liderança do partido venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações, com 51,8% dos votos.

Annegret Kramp-Karrenbauer é politicamente mais próxima da via centrista de Merkel. A nova líder tem como prioridades a recuperação do sentimento de pertença alemão e de identificação com o partido, o reforço da segurança e o fomento de uma economia social de mercado, com menos burocracias e mais inovadora e voltada para o meio digital.

Aos 56 anos, é a quarta mulher a liderar um governo alemão. Após ter conquistado os democratas-cristãos, Annegret Kramp-Karrenbauer pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais importante da Europa.

Relacionadas

Annegret Kramp-Karrenbauer substitui Angela Merkel na liderança da CDU

A candidata venceu o advogado e antigo líder do grupo parlamentar dos democratas-cristãos, Friedrich Merz, na segunda ronda de votações. Com esta vitória, Annegret Kramp-Karrenbauer pode vir a tornar-se a próxima chanceler da Alemanha e a líder política mais poderoso da Europa.

PremiumCandidatos à liderança da CDU afastam-se do legado de Merkel

Às eleições internas da CDU, que decorrem este fim de semana, concorrem três projetos radicalmente diferentes para suceder à via centrista de Merkel. O resultado das votações vai ditar o futuro do partido e da Alemanha e pode afetar o projeto europeu.

CDU começa hoje a votar na sucessão de Angela Merkel

Há três candidatos à liderança da União Democrata Cristã (CDU) e o escolhido poderá mesmo vir a assumir o papel de político mais influente da Europa, papel ainda desempenhado por Merkel.
Recomendadas

Rússia apoderou-se formalmente da central nuclear de Zaporijia

A central de Zaporijia, a maior central nuclear da Europa, está nas mãos das tropas russas desde o início de março.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.
Comentários