“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

À boleia da estreia, no dia 15 de dezembro, do documentário “Os anos super 8”, que a autora apresentou na Quinzena dos Realizadores, em Cannes, numa corealização com o seu filho, David Ernaux-Briot, deixamos também uma sugestão de leitura, “Um Lugar ao Sol seguido de Uma Mulher”, de Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022, esgotado há duas décadas no mercado português.

 

“Os anos super 8”

“Ao rever os nossos filmes em super 8, filmados entre 1972 e 1981, percebi que não eram apenas um arquivo familiar, mas um testemunho do passado, estilo de vida e aspirações de uma classe social na década que se seguiu a 68. Queria incorporar essas imagens silenciosas numa história que juntasse o íntimo ao social e à história, para transmitir o sabor e a cor daqueles anos”, lê-se no site da Midas Filmes, que estreia esta “visão” de Annie Ernaux no dia 15 de dezembro.

O documentário “Os anos super 8” – cujas imagens foram resgatadas ao arquivo da família, tendo sido registadas pelo seu marido, Philippe Ernaux, entre 1972 e 1981 – deixa no ar um retrato de época, em que algures se ouve dizer que a câmara de filmar, a Super 8, “é um objeto desejado por excelência, muito mais que uma máquina de lavar louça ou um televisor a cores”.

Paralelamente, volta a estar disponível no mercado português a obra “Um Lugar ao Sol seguido de Uma Mulher”, esgotado há 20 anos. A reedição tem chancela da Livros do Brasil e já está disponível nas livrarias.

 

 

Duas mortes, infinitamente marcantes, digeridas pela autora através da escrita, “Um Lugar ao Sol seguido de Uma Mulher” reúne os dois textos de Annie Ernaux sobre a perda dos pais: “Um Lugar ao Sol”, publicado em 1984 e vencedor do Prémio Renaudot, é sobre o pai, e “Uma Mulher”, editado quatro anos depois, é sobre a mãe. Misto de biografia, sociologia e história, marcada pela ambivalência dos sentimentos que unem filhos e pais e o impacto doloroso da quebra desse elo vital.

“Parece-me que agora escrevo sobre a minha mãe para, por minha vez, a trazer ao mundo”, escreve a Prémio Nobel de Literatura 2022 sobre aquela que é “a única mulher que contou verdadeiramente” para si. Já sobre o progenitor – e o seu universo de medo e vergonha –, admite: “eu talvez escreva porque não tínhamos nada para dizer um ao outro”.

Recomendadas

“Uma Barreira Contra o Pacífico” é uma reflexão sobre memória, cidadania e sustentabilidade

As fotografias a preto e branco de Alice F. Martins são o registo visual de uma cidade que sobreviveu, quase intacta, ao grande sismo de 2011. Caso de estudo para responder à pergunta “como é que o Japão se prepara para o risco quase permanente de destruição?”

O amor não escolhe horas, mas convém saber a quantas anda

A nova coleção da Swatch inclui o modelo Especial Dia dos Namorados ‘Recipe for Love’, e dois modelos adicionais: ‘Purest Love’ e ‘Love To Go Around’. No verso da caixa do primeiro, pode ler-se uma receita: “Encha o coração de amor, magia, interesse e confiança. Misture com alegria e junte magnetismo e um toque suave. Por fim, decore com beijos. Demore o tempo que for necessário – uma única noite ou uma vida inteira”.

Casino Estoril celebra noite de São Valentim com jantar romântico no restaurante “Bistrô”

Enquadrado numa área privilegiada do Casino Estoril, o restaurante “Bistrô” situa-se próximo da entrada principal do Salão Preto e Prata, distinguindo-se pelo seu ambiente acolhedor e informal.
Comentários