Ano Novo: Restaurantes do Algarve, Lisboa e Porto com quebras de 50%

“A situação não é boa. Aquilo que era esperado neste final de ano era que o mês de dezembro fosse muito bom, mas está a ser muito mau”, disse à Lusa o presidente PRO.VAR — Associação Nacional de Restaurantes, Daniel Serra.

Os restaurantes das regiões do Algarve, Lisboa e Porto deverão ter “quebras na ordem dos 50%” na noite de Passagem de Ano, adiantou esta terça-feira o presidente da PRO.VAR — Associação Nacional de Restaurantes, Daniel Serra.

Em declarações à agência Lusa, Daniel Serra afirmou que a situação do setor da restauração é “pouco segura” e que os empresários “não têm segurança se vão ter casa cheia”.

“A situação não é boa. Aquilo que era esperado neste final de ano era que o mês de dezembro fosse muito bom, mas está a ser muito mau. Estes últimos dias têm sido bastante fracos pela confusão que existe em torno da obrigatoriedade de testes [de despiste à covid-19]”, observou.

Segundo o presidente da PRO.VAR, “as quebras andarão na ordem os 50% no Algarve, Lisboa e Porto” na noite de Passagem de Ano, ainda que a possibilidade de realizar autotestes de despiste à covid-19 tenha originado algumas remarcações de reservas.

“A partir do momento em que houve o alargamento da possibilidade de realizar autotestes voltaram a existir remarcações, mas tem havido muitos cancelamentos”, disse.

Daniel Serra notou também que, face ao período de contenção e aumento do número de novos casos, o setor da restauração está a registar “muitas perdas” e que a situação neste momento “não é muito fiável”.

Numa missiva enviada aos secretários de Estado do Turismo e do Comércio, a que a Lusa teve hoje acesso, a PRO.VAR solicita com “urgência” a criação de um “gabinete de crise interministerial onde sejam determinadas medidas de salvação do setor” para resolver vários problemas relacionados com os apoios que foram, segundo a associação, “insuficientes ou até inexistentes”.

“A dotação de mais de mil milhões que ficou disponível por já não ser utilizada na TAP, será fundamental para a atribuição de apoios imediatos ao setor da restauração. Estamos certos que esta verba irá ser determinante para salvar a maioria das empresas e evitar despedimentos de trabalhadores”, observa a associação.

Defendendo que o setor precisa de ser “restabelecido”, a PRO.VAR afirma que para cobrir perdas superiores a 25% é necessária a “atribuição de fundos perdidos, encontrando uma espécie de APOIAR 2.0”, para apoiar as perdas de dezembro de 2021.

“Volvidos dois anos, seria catastrófico e muito censurável que o Governo não encontrasse a solução para resolver o problema financeiro destas empresas”, nota.

Na missiva, a PRO.VAR solicita uma nova reunião para que possa “apresentar algumas ideias concretas que podem servir de base às soluções que se exigem”.

Na passada terça-feira, a PRO.VAR apelou para que o Governo encontrasse uma “forma de apoiar substancialmente as empresas”, prevendo “perdas incalculáveis” face ao anúncio das novas medidas restritivas de combate à pandemia.

Na quarta-feira, o presidente da PRO.VAR anunciava que centenas de restaurantes encerrariam em protesto no Natal e na Passagem de Ano. O protesto viria a ser cancelado na quinta-feira depois do Governo anunciar que os autotestes podem ser utilizados para aceder aos estabelecimentos quando feitos no local sob supervisão.

O Governo aprovou um conjunto de medidas para controlar a pandemia de covid-19, tendo em conta a ameaça da nova variante Ómicron, que pode ser responsável por cerca de 90% das infeções no final do ano.

Decididas num Conselho Ministros que decorreu em Lisboa, estas medidas surgem cerca de um mês depois de o Governo ter, em 25 de novembro, aprovado uma estratégia de prevenção e combate à pandemia, que o surgimento recente da Ómicron obrigou a atualizar.

Entre as medidas anunciadas estão a antecipação do período durante o qual o teletrabalho é obrigatório, determinando que este regime vigora a partir das 00:00 do dia 25 de dezembro, e o encerramento de creches e ateliês de tempos livres (ATL), que estava previsto para a “semana de contenção” entre 03 e 09 de janeiro.

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.
Comentários