Anomalia no sistema informático do fisco envia e-mails errados relativos a 2018

Os contribuintes que receberam um e-mail da Autoridade Tributária e Aduaneira a informar sobre pagamentos de impostos relativos a 2018 devem ignorá-lo, pois resulta de uma falha do sistema informático, alertou hoje a AT.

“Por uma anomalia do sistema informático foram enviados para alguns contribuintes e-mails informativos relativos a 2018. Se recebeu um destes e-mails considere-o sem efeito”, refere um alerta de “Envio indevido de e-mail” hoje publicado no Portal das Finanças.

Num destes e-mails que chegou ao conhecimento da Lusa é indicado ao contribuinte o valor e referência de pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC) de 2018, estando em causa um carro cujo imposto tinha sido atempadamente pago e vendido há já dois anos.

“Na base de dados do registo automóvel consta que é proprietário da(s) seguinte(s) viatura(s) automóvel(eis) sujeita(s) a Imposto Único de Circulação (IUC)”, lê-se no e-mail, indicando que o pagamento do imposto pode ser feito usando a referência de multibanco que é apresentada ou através da emissão da respetiva nota de cobrança no sítio pessoal no Portal das Finanças.

A AT acrescenta no mesmo e-mail que “a presente comunicação possui fins meramente informativos e destina-se a dar a conhecer aos contribuintes os seus direitos e obrigações, em cumprimento do dever de colaboração entre a administração tributária e os contribuintes, previsto no artigo 59.º da Lei Geral Tributária”, recomendando ainda o pagamento do IUC dentro do prazo para evitar custos adicionais com coimas e juros.

O e-mail levantou dúvidas ao destinatário pelo facto de o IUC do carro em causa relativamente ao ano que estava a ser reclamado ter sido, na altura, pago no prazo legal.

A Lusa questionou o Ministério das Finanças sobre quantos destes e-mails sobre 2018 foram enviados devido à referida anomalia no sistema informático mas não obteve resposta.

Recomendadas

Autarquias: Margem de endividamento para projetos não cofinanciados aumenta para 40%

O ministro das Finanças anunciou que vai alterar a Lei das Finanças Locais, visando a subida do limite da margem de endividamento para projetos não cofinanciados de 20% para 40%.

“Desempenho de Alexandra Reis nas funções do sector empresarial do Estado não pode ser questionado”

Fernando Medina diz que muitas das dúvidas do Chega sobre a indemnização da TAP só têm resposta depois da avaliação da IGF. “Alguém está a ficcionar que está a pedir um esclarecimento”, acusou André Ventura.

Ministro das Finanças recusa conflito de interesses na nomeação de Alexandra Reis

Fernando Medina assumiu que as informações positivas que tinha de Alexandra Reis, aquando da sua passagem pela TAP e NAV, não colocavam em causa a sua nomeação para a função de secretária de Estado do Tesouro.
Comentários