Anonymous desativam 5.500 contas “jihadistas”

A guerra contra o auto-proclamado Estado Islâmico já se faz na web

O grupo ativista Anonymous iniciou a sua própria ofensiva contra o auto-proclamado Estado Islâmico e de acordo com informações divulgadas pelo britânico The Independent, os Anonymous elaboram listas com as contas de Twitter e sites frequentados pelos extremistas.

“O objetivo é combate-los”, afirmou um representante dos Anonymous ao diário britânico. Por agora, este grupo terá conseguido aceder a algumas contas e publicaram os dados pessoais, incluindo a morada de um dos terroristas que está a ser acusado de ser um recrutado do movimento jihadista na Europa.

Segundo o Yahoo News, a organização de hackers já difundiu uma lista com mil contas de Twitter relacionadas com o Estado Islâmico, mas esta publicação foi eliminada. Por outro lado, outras fontes afirmam que os Anonymous já bloquearam mais de 5.500 contas de Twitter.

A conta que os hackers abriram na rede para “atacar” o terrorismo denomina-se @opparisofficial e utilizam o hashtag #OpISIS para ir publicando informação sobre os extremistas que atacarom Paris: contas bloqueadas, informação pessoal…

OJE

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.