Anti-‘trust’: Bruxelas consulta partes interessadas sobre acordos de sustentabilidade na agricultura

As reações resultantes desta consulta pública ajudarão a Comissão Europeia a elaborar orientações sobre uma nova derrogação que isenta os acordos de sustentabilidade no domínio da agricultura das regras de concorrência em determinadas condições.

No âmbito da política anti-‘trust’, a Comissão Europeia anunciou hoje, dia 28 de fevereiro, que iniciou a consulta a partes interessadas sobre acordos de sustentabilidade na agricultura.

“A Comissão Europeia convida as partes interessadas, como os produtores primários, transformadores, fabricantes, grossistas, retalhistas e fornecedores de fatores de produção, a partilharem a sua experiência com acordos destinados a alcançar os objetivos de sustentabilidade nas cadeias de abastecimento agroalimentar”, destaca um comunicado do RAPID, boletim informativo da representação da Comissão Europeia em Portugal.

De acordo com esse documento, “as reações ajudarão a Comissão a elaborar orientações sobre uma nova derrogação que isenta os acordos de sustentabilidade no domínio da agricultura das regras de concorrência em determinadas condições”, adianta o referido comunicado.

Todas as partes interessadas são convidadas a apresentar os seus pontos de vista no sítio ‘web’ das consultas da Comissão Europeia até 23 de maio.

Recomendadas

Confederação do sector agrícola alerta ministra para os altos custos do gasóleo para a agricultura

“A questão da energia e em especial os custos do gasóleo para a agricultura, constituíram a parte fulcral da reunião tendo a Ministra informado a Confederação que estão em preparação novas medidas estruturais para os combustíveis”, refere a CONFAGRI.

Produção de cereais no distrito de Beja muito afetada pela seca em “ano mau”

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches (CABB), Fernando Rosário, reconheceu que este “foi um ano mau” para os cereais na área de influência da entidade, que abrange sobretudo os municípios alentejanos de Beja e Serpa.

“Se não houvesse estufas as pessoas não podiam comer vegetais frescos o ano todo”

Luís Mira, secretário-geral da CAP, traça um quadro de expectativa no sector agroflorestal em tempos de incerteza.
Comentários