Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

“Há algo de profundamente hipócrita por parte dos países ocidentais ao dizer aos pequenos países africanos pobres ou Estados frágeis e a outras partes do mundo que não devem investir em qualquer tentativa de tirar o máximo partido dos hidrocarbonetos”, afirmou Cameron durante a Cimeira de Comércio e Investimento da Commonwealth.

Assumindo que esta é uma opinião “controversa”, o antigo líder do Partido Conservador caricaturou como os países ocidentais estão a deixar de usar carvão e a convencer os países produtores deste combustível a parar a sua exploração, mas ao mesmo tempo querem comprar gás natural.

“Penso que não há nada de errado em um país pobre querer desenvolver-se. Se tem hidrocarbonetos, deveria poder desenvolver estes hidrocarbonetos para o bem da sua economia e para a prosperidade do seu povo”, argumentou.

Cameron falava enquanto presidente da Comissão sobre Fragilidade de Estados, Crescimento e Desenvolvimento, um grupo de académicos, empresários e antigos políticos criado pelas universidades de Oxford e London School of Economics.

Assumido ambientalista, Cameron admitiu que “é claro que vai ter de haver uma transição para substituir os hidrocarbonetos ao longo do tempo” e revelou que a Comissão vai analisar esta questão no próximo ano para tentar encontrar soluções.

“Penso que deveria ser dada aos países a opção de desenvolver [estas indústrias] de forma sensata para o próprio bem, à medida que todos fazemos a transição para deixarmos de ser um mundo de hidrocarbonetos”, vincou.

Cameron falava último dia da 2.ª Cimeira de Comércio e Investimento da Commonwealth, que começou na segunda-feira em Londres.

Após uma primeira edição virtual em 2021, devido às restrições da pandemia covid-19, o evento organizado pelo Conselho Empresarial e de Investimento da Commonwealth convidou chefes de Governo, ministros e líderes empresariais de toda a Commonwealth para debates e reuniões de trabalho.

Alguns dos principais temas na agenda foram a necessidade de uma transição para as energias renováveis, segurança e resiliência alimentar, tecnologia de saúde e o futuro da prestação de cuidados de saúde, e ainda o futuro do financiamento verde.

Num painel sobre segurança energética, o vice-presidente da gestora de investimentos Blackrock, Philipp Hildebrand, concordou com David Cameron ao defender uma transição “justa” e “ordeira”.

“Não serve de nada se descarbonizarmos rapidamente o mundo desenvolvido e deixarmos o mundo em desenvolvimento para trás. Isso não vai alcançar a neutralidade carbónica. Uma transição ordenada seria, ao nível macro, o melhor resultado”, afirmou.

Porém, o fundador e presidente executivo da operadora de energia Octopus, Greg Jackson, argumentou que existe razão para estar otimista quanto à adoção rápida de energias renováveis por países menos desenvolvidos em África ou Ásia, devido ao custo cada vez mais reduzido e maior flexibilidade.

“Não é uma transição que tenha de durar uma vida inteira. Da mesma forma que os telemóveis permitiram aos países de todo o mundo evitar a instalação dispendiosa de redes de telecomunicações fixas para passarem diretamente para uma infraestrutura melhor [de telefonia móvel], podemos fazer o mesmo com as energias renováveis”, sugeriu.

Recomendadas

Cerca de 3,6 mil milhões de pessoas estão vulneráveis ao aquecimento global

Se a situação não for invertida, em 20 anos ultrapassaremos os 1,5 ºC, o que provocaria a subida do nível do mar, mais chuvas e secas extremas, ondas de calor e temperaturas extremas.

Governo realiza audição pública de propostas das zonas para energia renovável offshore

A audição é aberta a todos os cidadãos, organizações, entidades, municípios que queiram apresentar sugestões.

Clima: Extremos ocorridos na Amazónia afetam diretamente o Tibete

As alterações climáticas na bacia da Amazónia têm repercussões no planalto tibetano, situado a 20 mil quilómetros de distância, garantem cientistas chineses, europeus e israelitas, em artigo divulgado na revista Nature Climate Change, no início do mês.
Comentários