António Costa acredita que estão reunidas as condições para Portugal iniciar a recuperação

O secretário-geral do PS considera que estão reunidas as condições para Portugal começar a recuperação nos planos sanitário, económico e social, isto depois um ano “muito duro”, mas em que o país alcançou “importantes vitórias” na União Europeia.

Flickr/PS

As posições são assumidas por António Costa numa mensagem vídeo de Natal que enviou aos militantes socialistas, na qual também assegura que podem contar consigo “a 100%”.

“Estou certo de que agora que começamos a ter uma vacina [contra a covid-19] disponível, agora que vamos poder começar a contar com um reforço dos fundos comunitários, vamos poder colocar em marcha a visão estratégica que entretanto desenvolvemos e consolidámos, e o plano de recuperação económica que aprovámos”, afirma o líder socialista.

Na mensagem em questão, o secretário-geral do PS começa por destacar que 2020 “foi um ano muito diferente, muito duro e que implicou uma alteração profunda no funcionamento do partido”.

“Pudemos encontrar-nos com muito menos frequência, não pudemos realizar o nosso congresso [nacional] e temos estado menos juntos. Mas longe da vista não é longe do coração”, diz, antes de garantir aos militantes do partido: “É para mim uma enorme honra poder estar aqui nestas funções neste momento tão duro da vida do país e podem contar comigo a 100%”.

Em relação à atual situação do país, António Costa considera que as prioridades do Governo socialista “são claras”, sendo a primeira “fazer face à pandemia”.

“Uma pandemia que nos surpreendeu, mas em relação à qual temos dado o nosso melhor para, nas dificuldades que todos conhecem, podermos responder quer do ponto de vista sanitário, quer das suas consequências económicas e sociais”, diz.

Neste ponto, o líder socialista destaca que a pandemia de Covid-19 “deixou feridas na vida das famílias”.

“Provavelmente alguns estão enlutados pela perda de familiares ou amigos, alguns estão angustiados por terem familiares ou amigos doentes. Outros, como eu, estão privados da sua liberdade por estarem em quarentena ou isolamento profilático”, observou.

Para além disso, de acordo com o primeiro-ministro, “esta pandemia atingiu duramente” a economia portuguesa, “que estava em bom crescimento, e atingiu duramente o emprego, depois de anos sucessivos de recuperação e de melhoria dos rendimentos”.

“Ora, a recuperação do país é fundamental. Temos de voltar rapidamente onde estávamos e poder ir mais além”, adianta, numa referência à segunda prioridade elencada pelo executivo.

Em 2020, apesar da conjuntura adversa, António Costa argumenta que Portugal teve “vitórias importantes no quadro da União Europeia” e que, consequentemente, irá dispor no próximo ano “dos instrumentos necessários para poder, a partir dos motores do combate às alterações climáticas e da transição digital, ajudar fortemente a recuperação do país”.

“E essa é a terceira prioridade que temos: Recuperar o país com os olhos postos no futuro, e recuperar a nossa agenda estratégica com base na qual fomos eleitos e que temos para cumprir até 2023”, assinala.

O Governo, segundo António Costa, vai levar a cabo uma ação no sentido de combater as alterações climáticas, as desigualdades, proporcionar um melhor equilíbrio demográfico e impulsionar a modernização do país a partir da transição digital.

“Aquilo que é a enorme pressão que temos no presente não nos pode fazer distrair. Temos mesmo de responder aos anseios dos portugueses com os olhos postos no futuro”, acrescenta o secretário-geral do PS.

Recomendadas

Cada português desperdiça 183 quilos de alimentos por ano e isso é intolerável, diz Isabel Jonet

Os dados, oficiais e pela primeira vez divulgados, referem-se a 2020 e indicam que nesse ano foram desperdiçadas em Portugal 1,89 milhões de toneladas de alimentos, pelo que cada português desperdiçou em média 183,6 quilos de alimentos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa fazem greve de 24 horas em 12 de outubro

“Vamos fazer uma greve no dia 12, de 24 horas”, indicou Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).
Comentários