António Costa defende na ONU “novo contrato social para a educação”

António Costa falava na cimeira “Transformar a Educação”, iniciativa convocada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que antecede o debate geral anual entre chefes de Estado e Governo dos 193 países membros da ONU.

Paulo Cunha/Lusa

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu ontem na sede da ONU, em Nova Iorque, um “novo contrato social para a educação” que a reforce como “bem global comum”, para combater as desigualdades e a exclusão.

António Costa falava na cimeira “Transformar a Educação”, iniciativa convocada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que antecede o debate geral anual entre chefes de Estado e Governo dos 193 países membros da ONU.

Numa intervenção em português, de cerca de sete minutos, o primeiro-ministro salientou que “o direito a uma educação de qualidade, inclusiva e equitativa é ainda negado a centenas de milhões de crianças e jovens adultos” e que a pandemia de covid-19 “exacerbou estas desigualdades”.

Depois, António Costa referiu que “a multiplicação de situações de emergência cria desafios acrescidos, pelo que devem constituir uma prioridade absoluta”, e afirmou que “Portugal tem dado particular atenção a esta dimensão”.

O primeiro-ministro destacou o programa de bolsas de estudo para estudantes sírios criado pelo antigo Presidente da República Jorge Sampaio, que morreu em setembro do ano passado, e o mais recente acolhimento em Portugal de crianças e jovens fugidos à guerra na Ucrânia.

“Garantimos a continuidade dos estudos superiores aos refugiados hoje da Ucrânia que solicitaram proteção temporária em Portugal. Acolhemos milhares de crianças oriundas da Ucrânia e temos procurado soluções inovadoras para garantir o seu acesso à educação e a sua inclusão, alargando agora as possibilidades criadas nos últimos anos tínhamos desenvolvido para o acolhimento dos refugiados da Síria”, apontou.

“E concentrámos o nosso apoio à reconstrução da Ucrânia precisamente no setor da Educação, através de recuperação de escolas destruídas pela guerra”, acrescentou o primeiro-ministro – que manifestou esta disponibilidade ao Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, quando visitou Kiev em maio.

António Costa defendeu que, “por todas estas razões”, é necessário “um novo contrato social para a educação”, que “promova o direito à educação de qualidade ao longo da vida e reforce a educação como um bem público e um bem global comum”.

“Uma educação humanista e de qualidade, para todos, em todas as fases da vida. Uma educação aberta ao mundo, à diversidade, ao multilinguismo, à globalização e ao digital. Uma educação inclusiva e equitativa”, prosseguiu.

O primeiro-ministro manifestou apoio às posições da UNESCO, agência para a educação, ciência e cultura das Nações Unidas, sobre esta matéria, contidas no relatório “Os Futuros da Educação”, no qual realçou que “Portugal esteve diretamente envolvido”.

“Uma resposta concertada da comunidade internacional é urgente e imperiosa para ultrapassarmos os desafios atuais”, apelou.

No plano interno, António Costa mencionou que o currículo escolar foi reforçado “em três pilares – competências para o século XXI, inclusão e cidadania – num total alinhamento com os objetivos do desenvolvimento sustentável”.

No plano internacional, disse que “Portugal tem assumido um papel ativo em matéria de educação” na UNESCO e esteve envolvido na preparação desta cimeira, à qual levou alunos e professores de escolas portuguesas.

O primeiro-ministro começou o seu discurso citando o ditado africano segundo o qual “é preciso uma aldeia para educar uma criança”, convocando todos para cumprir o acesso à educação inclusiva e de qualidade, o 4.º objetivo de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

“Esta cimeira constitui uma manifestação exemplar do multilateralismo inclusivo e participativo”, elogiou.

António Costa chegou hoje a Nova Iorque para participar no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em que intervirá na quinta-feira.

Recomendadas

Fenprof vai manifestar-se em frente à Assembleia da República a 4 de outubro

O evento tem hora marcadas para as 15h00 horas e contará com momentos musicais e intervenções sindicais.

Número de inscritos no ensino superior atinge máximo histórico com mais de 433 mil estudantes

“Este resultado mantém Portugal na trajetória necessária para atingir as metas de qualificação de longo prazo”, aponta o Governo.

BE quer que beneficiários de bolsa de estudo do Ensino Superior recebam um complemento extraordinário

O BE quer que os estudantes que recebem apoios obtenham um complemento extraordinário no valor anual de 50% do valor do indexante dos apoios sociais.
Comentários