António Costa desmente que aumento do salário mínimo em janeiro esteja em risco

O primeiro-ministro desmente que aumento do salário mínimo esteja em risco. O jornal Expresso diz que a possibilidade de um acordo de concertação social até 2020 está em cima da mesa e esse exige alterações das metas estabelecidas.

A notícia faz manchete do Expresso deste sábado. Segundo o jornal, para conseguir um acordo na concertação social o primeiro-ministro pode fasear o aumento em 2017, ao contrário do prometido. Esse faseamento começaria com um valor abaixo dos 557 euros. E que isso está a provocar uma tensão entre o Bloco de Esquerda e o Governo.

O jornal diz ainda que no âmbito das negociações com os parceiros sociais, está a ser considerada a hipótese de a ‘bitola’ dos 600 euros ser ultrapassada antes do fim da legislatura.

O aumento do salário mínimo para 557 euros em janeiro está em risco, diz o semanário. Mas o primeiro-ministro, na sua conta do Twitter apressou-se a desmentir. “O programa de Governo será cumprido na atualização do salário mínimo, o que aliás foi dito ao jornal”.

Em declarações ao Jornal Económico o MTSSS (Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social) também desmente a notícia.

O Governo prevê um aumento do salário mínimo para 557 euros em 2017; 580 euros para 2018 e 600 euros em 2019.

 

Recomendadas

Portugal sobe duas posições no Ranking Mundial de Talento e é agora o 24.º mais competitivo

Portugal melhora sobretudo na Investigação & Desenvolvimento e na Preparação. O podium mundial é liderado pela Suíça, Suécia e Islândia, as três economias mais competitivas em talento a nível mundial entre os 63 países analisados pela escola de negócios IMD.

António Costa: Ambiente+Simples ajuda investimento nas renováveis

O primeiro-ministro afirmou que a desburocratização e a digitalização da administração pública é fundamental para reduzir custos e facilitar o investimento nas renováveis.

Presidente do Peru detido após ser destituído e acusado de golpe de Estado

Pedro Castillo foi detido e está na sede da polícia de Lima, depois de ter sido destituído pelo Congresso, acusado de tentar executar um golpe de Estado ao anunciar a sua dissolução.
Comentários