António Costa diz que não há suspeita de terrorismo no caso de Tancos. Investigação defende o contrário

Ao “Diário de Notícias”, fontes judiciais e da oposição parlamentar mostraram-se surpreendidos com o deslize do primeiro-ministro.

O Ministério Público (MP) está a investigar suspeitas de criminalidade organizada, tráfico de armas internacional e terrorismo no caso de Tancos. No entanto, o líder do Executivo português afirma que “esse cenário, felizmente, não se coloca”.

Ao “Diário de Notícias” (DN), fontes judiciais e da oposição parlamentar mostraram-se surpreendidos com o deslize do primeiro-ministro.

“Logo no dia a seguir à constatação do furto, as autoridades nacionais e, em particular, a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna [SSI], reuniram a Unidade de Coordenação Antiterrorista que identificou que o furto nada tinha que ver com qualquer ligação a criminalidade organizada, muito menos a atividade de terrorismo”, disse António Costa no início desta semana.

O gabinete do primeiro-ministro explicou ao DN que se tratou de “citações de declarações públicas da secretária-geral do SSI, autoridade em quem confia na informação que lhe é dada”.

Recomendadas

Plataforma NAU vence Prémio ISCTE Políticas Públicas 2022

Segundo Francisco Santos, Vice-Presidente da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que disponibiliza a plataforma, o objetivo passa por “fazer crescer a oferta e continuar a ser uma mais-valia para entidades parceiras e, acima de tudo, para os cidadãos”.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Metro do Porto diz a Moreira que já formalizou “aceleração da empreitada” da Linha Rosa

Em 10 de novembro, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira manifestou-se preocupado com o “impacto profundamente negativo” da construção da nova Linha Rosa da Metro do Porto que, defende, apresenta “excessivos atrasos” em “praticamente todas as frentes”, revela um ofício enviado à empresa.
Comentários