António Costa prioriza recuperação económica “justa, verde e digital” para a presidência da UE

Ao lado do presidente francês Emmanuel Macron, o governante português definiu como primeira prioridade da presidência de Portugal na UE uma “recuperação económica que seja justa, verde e digital e que permita recuperar estes danos económicos e sociais dramáticos que a Covid-19 tem provocado”.

O primeiro-ministro António Costa definiu esta quarta-feira, em encontro com o presidente francês Emmanuel Macron em Paris, as prioridades fundamentais da presidência portuguesa da União Europeia

O governante português definiu como primeira prioridade uma “recuperação económica que seja justa, verde e digital e que permita recuperar estes danos económicos e sociais dramáticos que a Covid-19 tem provocado”; como segundo pilar desta governação, Costa realçou a importância do “desenvolvimento do pilar social dos direitos sociais na UE, deve ser a base sobre a qual construímos a confiança nos desafios da transição climática e digital”. Por último, António Costa aposta num “reforço da autonomia estratégica da Europa e de uma Europa aberta ao mundo. Temos que ter um debate profundo sobre a política industrial, comercial e de concorrência, assim como uma visão de aproximação com o continente africano e asiático e os nossos parceiros no eixo indo-Pacífico”. Neste aspeto, o primeiro-ministro português realçou o desejo de que  “o início da presidência de Joe Biden permita relançar uma nova dinâmica nas relações transatlânticas e cujo primeiro bom sinal passa pelo regresso dos EUA ao Acordo de Paris”

António Costa realçou que “o último Conselho Europeu deu dois passos muito importantes ao permitir um acordo sobre o quadro plurianual e a aprovação do programa de recuperação e resiliência. Também foi possível alcançar um compromisso conjunto para alcançar uma redução de 55% das emissões dos gases com efeito de estufa até 2030”.

Recomendadas

Fugas Nord Stream representam a maior libertação de metano de todos os tempos

A fuga nos Nord Stream já começam a revelar consequências para o ambiente com a maior fuga de metano já registada.

Ucrânia: Banco Mundial concede mais 540 milhões de euros a Kiev

O Banco Mundial anunciou que irá conceder um apoio adicional no valor de 530 milhões de dólares (540,6 milhões de euros) para permitir à Ucrânia “responder às necessidades urgentes causadas pela invasão russa”.

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.
Comentários