António Costa promete formar Governo “mais curto e ágil” se vencer eleições

O primeiro-ministro afirmou hoje que, se vencer as eleições legislativas, tenciona formar um Governo mais curto e ágil e disse que a substituição de Eduardo Cabrita por Francisca Van Dunem na Administração Interna é solução transitória.

António Costa assumiu estas posições em declarações aos jornalistas, no Parque das Nações, em Lisboa, antes de encerrar o Congresso da Associação Nacional de Autarcas do PS.

O secretário-geral do PS adiantou que, se o Orçamento do Estado para 2022 não tivesse chumbado na Assembleia da República, o que motivou uma crise política e a convocação de eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro, tencionava formar um Governo “renovado”.

“Um novo modelo [de Governo] mais adequado aos tempos desafiantes que temos pela frente e com competências mais transversais, sendo mais compacto. Era o que tinha pensado fazer imediatamente a seguir ao Orçamento. Obviamente, neste momento, não faz sentido fazer isso a dois meses de eleições”, justificou.

Interrogado sobre os motivos que o levaram a optar por colocar a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, a acumular a pasta da Administração Interna, depois da demissão de Eduardo Cabrita, na sexta-feira, António Costa alegou que se trata de uma “solução de transição até às eleições” legislativas de 30 de janeiro.

“Quero agradecer a Francisca Van Dunem a disponibilidade para acumular as funções. É uma mulher com larga experiência na Administração Interna. Durante toda a sua vida, na qualidade de magistrada, teve uma relação muito próxima com as forças de segurança. Ao nível europeu, partilha o Conselho de Justiça e Assuntos Internos com o ministro da Administração Interna”, apontou.

Por isso, segundo o primeiro-ministro, “com facilidade [Francisca Van Dunem], vai assumir a pasta da Administração Interna por um período de quase dois meses até às eleições. Depois disso, teremos um novo modelo de Governo, mais curto, mais ágil e adequado aos tempos que estamos a viver”, sustentou.

Confrontado com o facto de a ministra da Justiça já ter declarado que não tenciona continuar no Governo, o líder do executivo alegou que o futuro político do país está dependente dos resultados das eleições em 30 de janeiro.

Eduardo Cabrita pediu na sexta-feira a demissão do cargo de ministro de Administração Interna, depois de o Ministério Público ter acusado o seu motorista de homicídio por negligência pelo atropelamento mortal de um trabalhador da autoestrada A6, em junho deste ano.

Numa declaração aos jornalistas, o ministro disse que “mais do que ninguém” lamenta “essa trágica perda irreparável” e recusou que o Governo, o primeiro-ministro, António Costa, e o PS sejam penalizados pelo “aproveitamento político absolutamente intolerável” com o caso.

Relacionadas

“Expresso”: Rio deixa PS “inquieto”

“Ele era um líder apagado, mas agora esteve um mês a aparecer todos os dias — e ganhou de maneira surpreendente. Agora, a dúvida das pessoas é esta: será que o Rio é capaz?”, refere um “notável” socialista ouvido pelo semanário.

PR aceita exoneração e substituição por Francisca van Dunem no MAI

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa aceitou esta sexta-feira as propostas do primeiro-ministro para a exoneração do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e para a sua substituição pela ministra da Justiça, Francisca van Dunem, que acumulará funções.

PremiumRui Rio procura tornar-se o líder da oposição que mais tardou a chegar ao poder

Triunfo sobre PauloRangel, na sua terceira vitória consecutiva em eleições diretas, leva a que o líder social-democrata esteja em condições de ultrapassar AntónioGuterres como o líder da oposição que mais tempo demorou a tornar-se primeiro-ministro. Quando disputar as próximas eleições legislativas Rio já levará 1.445 dias à frente do seu partido.
catarina_martins_oe_2020

Catarina Martins alerta que bloco central é o “Plano B” do PS se falhar maioria absoluta

Coordenadora aproveitou encerramento do Encontro Nacional do Bloco de Esquerda para acusar socialistas de terem iniciado uma “viragem à direita” a partir das legislativas de 2019.
Recomendadas

João Gomes Cravinho diz que sobrestimou currículo de ex-diretor geral e admite que errou

O governante, que tutelou a Defesa entre 2018 e 2022, falava na comissão parlamentar de Defesa, onde foi ouvido a requerimento do PSD, audição em que também participou o secretário de Estado da Defesa Nacional, Marco Capitão Ferreira.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

João Gomes Cravinho: Ofício sobre “real custo” das obras no hospital militar foi inicialmente “recusado pelo servidor”

O governante, que tutelou a Defesa entre 2018 e 2022, está hoje a ser ouvido no parlamento no âmbito de uma audição requerida pelo PSD, momento em que recuperou a cronologia dos acontecimentos e detalhou algumas informações sobre o processo de reconversão do antigo Hospital Militar de Belém – que tinha um custo inicial de 750 mil euros e acabou em 3,2 milhões.
Comentários