António de Sousa Pereira mantém o leme da Universidade do Porto até 2026

Aos 60 anos de idade, António de Sousa Pereira passou com distinção mais uma prova a que se submeteu, mantendo uma folha de serviço público imaculada.

Aos 60 anos de idade, António de Sousa Pereira passou com distinção mais uma prova a que se submeteu, mantendo uma folha de serviço público imaculada. Num ato eleitoral muito disputado (havia mais 3 candidatos), realizado há uma semana, o nome do 20.º Reitor foi confirmado à primeira volta para o segundo mandato na Universidade do Porto.

Na linha do seu primeiro mandato, António Sousa Pereira propõe-se “prosseguir com a lógica de governação descentralizada, inclusiva e sinérgica”, respeitando “intransigentemente a autonomia das unidades orgânicas de ensino e investigação da Universidade, criando caminhos para a mudança”.

O seu plano de ação assenta na proposta de Plano Estratégico da U.Porto 2030 e consubstancia uma visão ambiciosa que tem como eixo central fazer da U.Porto “uma Universidade de excelência internacional na educação, na formação académica e cívica, na investigação e na inovação, aspirando a ser permanentemente reconhecida como uma instituição sustentável e com impacto na ciência e cultura, na sociedade e economia”.

A afirmação deste designio passará, segundo o reitor, pela “internacionalização, transformação digital, cultura e comunicação, e pela valorização dos nossos pilares, desde logo, das pessoas, dos serviços, das infraestruturas e do nosso compromisso social com a comunidade”.

Licenciado, mestre e doutor em Medicina pelo ICBAS – Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, foi nesta unidade orgânica da Universidade do Porto que António de Sousa Pereira desenvolveu toda a sua carreira académica. Aqui prestou provas de agregação na área de Anatomia na viragem do milénio e, mais tarde, já professor catedrático foi eleito diretor, função que desempenhou até à eleição como reitor da U.Porto em 2018.

Nas vasta lista das suas responsabilidades atuais, contam-se o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), a que preside, e o Conselho Consultivo da Entidade Reguladora da Saúde, onde exerce a mesma função. É também vice-presidente do conselho estratégico do IPO do Porto, membro do conselho estratégico do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho e embaixador da Fundação BIAL.

Este médico humanista empenhado em quebrar fronteiras e deitar as paredes abaixo, nasceu a 17 de outubro de 1961, em Ramalde, na cidade Invicta.

Recomendadas

Português João Redondo preside a Aliança das Instituições de Ensino Superior Não Estatais na Europa

A EUPHE representa cerca de 700 instituições universitárias e politécnicas particulares e cooperativas, nas quais estudam 1,5 milhões de estudantes em países como a França, Alemanha, Espanha, Áustria, Irlanda, Polónia, Eslovénia e Portugal.

A emocionante viagem de Nuno Bicho no rasto do Homo Sapiens

O investigador português, vice-reitor da Universidade do Algarve, está de regresso a Moçambique. Nesta descoberta pelos vales do Save e do Limpopo faz-se acompanhar por uma equipa multidisciplinar para comprovar, através da arqueologia, o modelo genético de que as populações humanas da África Austral foram a génese da migração da nossa espécie.

Politécnico de Viana do Castelo cria centro de investigação de 6,5 milhões para economia azul

Projeto para a construção do edifício aguarda financiamento do PT2030. Objetivo é que seja construído no próximo ano e entre em funcionamento em 2024.
Comentários