António Domingues despede-se da direção da Caixa

Presidente demissionário convidou os diretores da CGD para almoço de Natal.

Cristina Bernardo

O ainda presidente da CGD, António Domingues, convidou os diretores do banco público para um almoço de Natal onde se despedirá dos quadros da instituição que dirigiu durante quatro meses.

António Domingues tem estado a passar todos os dossiers ao próximo presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, que é quem vai implementar o Plano de Recapitalização e Plano de Restruturação.

A nova administração está a ser composta e tem já sete executivos (incluindo o CEO). Para além de Maria João Carioca, contará com José João Guilherme, com quem Paulo Macedo trabalhou no BCP e que foi também administrador do Novo Banco. Na lista de Paulo Macedo estão também Nuno Martins, que é adjunto do secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

Nuno Martins já tinha sido sugerido para a equipa de António Domingues, mas este recusou, soube o Jornal Económico.
José Brito diretor da Caixa, e responsável pelos mercados financeiros, é outro dos administradores. É já conhecido também o nome de Francisco Cary, actual administrador financeiro do Novo Banco.

Ao que tudo indica, da equipa de António Domingues só deverá ficar João Tudela Martins, pelo que Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão sairão. Mas o Estado terá de negociar a saída destes gestores.

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários