António Filipe: “Não é expectável que o PCP possa ter a influência política e social que já teve”

“Não é expectável que o Partido Comunista em Portugal, como noutros países, possa ter a influência política e social que já teve nos anos 70 e que o fez crescer até aos 200 mil militantes”, disse o deputado do PCP ao “DN”.

Tiago Petinga/LUSA

O deputado do PCP, António Filipe, admitiu em entrevista ao “Diário de Notícias” não ser expectável que o partido possa ter a “influência política e social que já teve”.

“No tempo que vivemos, não é expectável que o Partido Comunista em Portugal, como noutros países, possa ter a influência política e social que já teve nos anos 70 e que o fez crescer até aos 200 mil militantes”, referiu António Filipe.

Quanto a se acredita no crescimento do PCP, o deputado comunista desviou-se da pergunta e garantiu estar cá “para o que der e vier”. “Independentemente daquela que seja a dimensão que o partido tenha em cada momento ou a influência que possa ter, a partir do momento em que eu considero que os seus fundamentos são válidos e que é uma ação política que vale a pena prosseguir, estou cá para o que der e vier”, sublinhou.

Relacionadas

Jerónimo de Sousa diz que maioria absoluta deixa PCP preocupado

A maioria absoluta assusta o PCP porque assim a “política a ser conduzida, o programa de Governo é da responsabilidade do Partido Socialista”.
Recomendadas

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Stop diz que Governo continua sem respostas para as reivindicações dos professores

O coordenado nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) disse hoje que o Governo continua sem dar respostas às reivindicações dos professores, considerando a reunião de hoje desoladora.

Regime remuneratório dos médicos das urgências alargado até 28 de fevereiro

O Governo aprovou a prorrogação do regime remuneratório aplicável ao trabalho suplementar dos médicos nos serviços de urgência. Medida excecional vigora até ao final deste mês.
Comentários