António Godinho elogia resultado da Lista C em eleições que “não foram nem justas, nem democráticas”

“É politicamente relevante o facto de pela primeira vez a Lista A ter tido menos votos do que a soma dos votos das listas opositoras: isto quer dizer que Tomás Correia já não conta com o apoio expresso eleitoralmente da maioria dos associados da AMMG e deveria tirar consequências desse facto”, diz a Lista C que ficou em segundo lugar na corrida à Associação Mutualista.

“É verdadeiramente extraordinário, tendo em conta todas as condicionantes conhecidas do processo eleitoral, o resultado obtido pela Lista C, que ficou apenas a 6,8 pontos percentuais da lista de Tomás Correia”, diz em comunicado da lista encabeçada por António Godinho e que ficou em segundo lugar nas eleições para a Associação Mutualista ocorridas ontem.

A lista A, de Tomás Correia venceu com 43,2%; seguiu-se a lista C de António Godinho com 36,3% e em terceiro lugar ficou a lista B de Fernando Ribeiro Mendes com 20,5%.

A lista C considera no entanto que “estas eleições não foram nem justas, nem democráticas”. Entre “as várias irregularidades”, apontam o facto de “a comissão eleitoral ser composta maioritariamente por membros da Lista A, que tomou todas as decisões favoráveis à incumbente, rejeitando as propostas que visavam uma efetiva fiscalização do ato eleitoral”. Dizem ainda a “autenticação das assinaturas dos votos por correspondência não cumpre a legislação em vigor, designadamente o novo código mutualista”.

Mas “é politicamente relevante o facto de pela primeira vez a Lista A ter tido menos votos do que a soma dos votos das listas opositoras: isto quer dizer que Tomás Correia já não conta com o apoio expresso eleitoralmente da maioria dos associados da AMMG e deveria tirar consequências desse facto”, referem.

Os membros da Lista C “assumem publicamente o compromisso de, por dever de honra, continuarem a lutar pela dignificação da AMMG, pelo resgate da confiança dos associados e dos portugueses, fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para defender a Instituição; o Montepio Geral e os seus associados merecem que esta equipa continue a lutar pelos seus interesses e pela sua dignidade”, conclui o comunicado.

Não há qualquer referência a potenciais impugnações das eleições.

 

Relacionadas

Tomás Correia vence corrida à Associação Mutualista Montepio Geral com 43,2%

A lista A venceu com 43,2%; seguiu-se a lista C de António Godinho com 36,3% e em terceiro lugar ficou a lista B de Fernando Ribeiro Mendes com 20,5%.

Montepio: Lista B realça que a “participação dos associados registou uma das taxas mais baixas de sempre”

Ribeiro Mendes diz que “a lista vencedora das eleições obteve maioria relativa que sinaliza a extensão do sentimento de rejeição da atual liderança, partilhado pela esmagadora maioria dos votantes”. A Lista B reconhece que obteve um resultado que ficou “abaixo das expectativas geradas pela nossa candidatura, ao receber 21% dos votos validamente expressos”.

PremiumAntónio Godinho: “A nossa lista para a Mutualista é a única que não tem arguidos”

Candidato que lidera a lista C nas eleições da Associação Mutualista Montepio Geral, que terminam esta sexta-feira, fala das prioridades e defende renovação. “Tomás Correia faz já parte do passado”, diz, em entrevista ao Jornal Económico,
Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários