António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

À margem da 77.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, num evento que assinala o Dia Internacional da Eliminação Total de Armas Nucleares, Guterres comprometeu-se a trabalhar estreitamente com todos os Estados-Membros para neutralizar as ameaças nucleares, recordando o período da Guerra Fria, que colocou “a Humanidade a poucos minutos da aniquilação” e estabelecendo um paralelo com o atual “esgrimir dos sabres nucleares”.

“Deixem-me ser claro: a era da chantagem nuclear deve terminar. A ideia de que qualquer país poderia lutar e vencer uma guerra nuclear é insana. Qualquer uso de uma arma nuclear incitaria um armageddon humanitário. Precisamos de recuar”, disse.

Face aos reveses na Ucrânia, o Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou, na semana passada, uma mobilização parcial que abrange 300.000 reservistas e ameaçou usar todas as armas, incluindo nucleares, em caso de ameaça à integridade territorial da Rússia, sublinhando não estar a “fazer bluff”.

Num momento em que a 77.ª Assembleia-Geral da ONU se aproxima do fim, Guterres aproveitou a presença de vários chefes de Governo e de Estado em Nova Iorque para apelar a um novo compromisso contra o uso de armas nucleares.

“Exorto todos os Estados a usarem todas as vias de diálogo, diplomacia e negociação para aliviar as tensões, reduzir o risco e eliminar a ameaça nuclear. Mais amplamente, também precisamos de uma nova visão para o desarmamento nuclear e a não-proliferação”, pediu.

“No mês passado, tive a honra de visitar Hiroshima e conhecer os bravos sobreviventes do ataque [nuclear] de 1945, os hibakusha. A cada ano, os seus números diminuem. Mas a mensagem deles fica mais audível: as armas nucleares são o poder mais destrutivo já criado. Elas não oferecem segurança – apenas carnificina e caos. A sua eliminação seria o maior presente que poderíamos dar às gerações futuras”, declarou Guterres.

O líder das Nações Unidas recordou que a sua proposta de Nova Agenda para a Paz exige um desarmamento significativo e o desenvolvimento de um entendimento comum das múltiplas ameaças que a humanidade enfrenta.

“Precisamos de levar em conta a evolução da ordem nuclear, incluindo todos os tipos de armas nucleares e seus meios de lançamento. E precisamos abordar as linhas ténues entre armas estratégicas e convencionais e o nexo com novos domínios do ciberespaço e do espaço sideral”, afirmou.

“Sem eliminarmos as armas nucleares, não poderá haver paz. Não pode haver confiança. E não pode haver futuro sustentável. Vamos sair da Assembleia deste ano com um novo compromisso de trabalhar para o futuro pacífico que todos buscamos”, apelou.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários