António Guterres viaja no sábado para Cabo Verde para o ‘Ocean Summit’

“Amanhã [sábado], o secretário-geral desloca-se a Cabo Verde a convite do primeiro-ministro, José Ulisses Correia e Silva. Ele vai estar presente no ‘Ocean Summit’, que se realiza no Mindelo, na ilha de São Vicente, durante uma escala da Ocean Race”, indicou o porta-voz da ONU Farhan Haq, no seu ‘briefing’ diário à imprensa em Nova Iorque.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres viajará no sábado para Cabo Verde, onde tem agendados encontros com o Presidente e com o primeiro-ministro do país e participará no ‘Ocean Summit’, informaram hoje fontes oficiais.

“Amanhã [sábado], o secretário-geral desloca-se a Cabo Verde a convite do primeiro-ministro, José Ulisses Correia e Silva. Ele vai estar presente no ‘Ocean Summit’, que se realiza no Mindelo, na ilha de São Vicente, durante uma escala da Ocean Race”, indicou o porta-voz da ONU Farhan Haq, no seu ‘briefing’ diário à imprensa em Nova Iorque.

De acordo com Haq, Guterres manterá, na tarde de sábado, um encontro bilateral com Ulisses Correia e Silva, a que se seguirá uma sessão de imprensa.

Logo a seguir, o líder das Nações Unidas participará no evento ‘Prime Minister Speaker Series’.

O porta-voz apresentou ainda detalhes do discurso que António Guterres fará na Cimeira do Oceano, onde deverá alertar “que a humanidade está a travar uma guerra sem sentido e autodestrutiva contra a natureza, e que o oceano está na linha de frente da batalha – o que significa que os pequenos Estados insulares em desenvolvimento, como Cabo Verde, também estão”.

A visita de António Guterres ao Estado africano terminará com um encontro com o Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, concluiu Farhan Haq.

O ‘Ocean Summit’, cimeira focada nos oceanos e na sua proteção, é organizado pela The Ocean Race, em parceria com o Governo de Cabo Verde, e contará com a presença de várias figuras políticas, como o primeiro-ministro português, António Costa.

A Ocean Race é considerada a maior e mais antiga regata à vela de volta ao mundo.

A competição – que chegou a estar planeada para o período de 2021/2022, mas foi adiada para 2023 devido à pandemia de covid-19 – deverá percorrer ao longo dos seis meses de competição de volta ao mundo, por cerca de 32.000 milhas náuticas (59.296 quilómetros), em categorias separadas, até terminar no verão em Génova, Itália, quando se comemoram os 50 anos desta prova, segundo a organização.

Recomendadas

Governo português considera “muito importante” mensagem de apoio que UE leva ao Níger

“É muito importante esta visita ao Níger e ao Presidente Mohamed Bazoum para demonstrar o apoio da União Europeia [UE], que entendemos ser crucial para o país, no momento em que vive esta conjugação de crises que o afeta de maneira particular: alterações climáticas, geoestratégicas e dificuldades financeiras e migratórias”, disse André, em declarações por telefone à Lusa, a partir de Niamey, onde se encontra desde segunda-feira.

Moçambique. Bispos lusófonos pedem que comunidade internacional se lembre de Cabo Delgado

“Manifestamos, em particular, a nossa profunda dor e solidariedade para com o povo de Cabo Delgado que, desde 2017, tem sido vítima de bárbaros atos de violência”, indica a nota enviada hoje à Lusa.

Espanha tem vocação africana e elege Angola como país prioritário, diz Felipe VI

O Rei Felipe VI disse hoje que Espanha é um país com vocação africana e elegeu Angola como país prioritário, mostrando-se confiante de que os dois países terão um “futuro prometedor” em conjunto.
Comentários