António Horta-Osório abandona presidência do Credit Suisse (com áudio)

O português António Horta-Osório renunciou à presidência do banco na sequência das notícias de que violou “involuntariamente” as regras de quarentena suíças. O Credit Suisse nomeou Axel P. Lehmann como presidente do conselho de administração.

O Credit Suisse Group acaba de anunciar que nomeou Axel P. Lehmann como novo presidente do conselho de administração. O português António Horta-Osório renunciou na sequência das notícias de que violou “involuntariamente” as regras de quarentena suíças. O banqueiro português pediu desculpa no âmbito da renúncia.

O Credit Suisse Group informou este domingo, em comunicado, que o conselho de administração nomeou Axel P. Lehmann como o novo presidente do banco com efeito imediato, sucedendo a António Horta-Osório, que renunciou na sequência de uma investigação pedida pela administração do banco suíço.

“Sob a liderança de Axel Lehmann, o conselho de administração e a comissão executiva continuarão a executar a estratégia do Credit Suisse, impulsionando a transformação do banco”, diz a instituição.

Em comunicado, António Horta-Osório diz que trabalhou para devolver ao Credit Suisse um percurso de sucesso e diz-se “orgulhoso do que alcançamos juntos em tão pouco tempo no banco”.

“O realinhamento estratégico do Credit Suisse proporcionará um foco claro no fortalecimento, simplificação e investimento no crescimento. Estou convencido de que o Credit Suisse está hoje bem posicionado e no caminho certo para o futuro. Lamento que algumas das minhas ações pessoais tenham causado dificuldades ao banco e tenham comprometido a minha capacidade de representar a instituição, interna e externamente. Considero, portanto, que a minha demissão é do interesse do banco e dos seus stakeholders neste momento crucial. Desejo aos meus colegas do Credit Suisse todo o sucesso para o futuro”, diz António Horta-Osório, citado pelo banco suíço.

Severin Schwan, vice-presidente e administrador independente do Credit Suisse, disse, em reação, respeitar a decisão de António Horta-Osório e adiantou que “devemos-lhe um grande agradecimento pela sua liderança na definição da nova estratégia, que continuaremos a implementar nos próximos meses e anos”.

“Axel Lehmann, como novo presidente, com a sua vasta experiência internacional e suíça na indústria, é ideal para impulsionar a transformação estratégica e cultural do banco. Desejamos ao Axel todo o sucesso na sua nova função e ao António tudo de bom para o futuro”, diz Severin Schwan.

O conselho de administração irá propor Axel Lehmann para presidente na próxima Assembleia Geral ordinária do banco a 29 de abril de 2022.

O Credit Suisse abriu uma investigação à quebra de quarentena do chairman António Horta Osório e foi na sequência dessa investigação que o banqueiro renunciou ao cargo.

O então presidente do banco quebrou as regras da quarentena na Suíça, no final do mês passado, com uma viagem de avião para fora do país (entre Zurique e Londres). A travessia foi feita a 28 de novembro, um dia depois de a Suíça ter imposto quarentena de dez dias nas chegadas do Reino Unido e de outros países devido à variante ómicron.

Recomendadas

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.

Novo Banco: Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações, diz José Tavares

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou hoje que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.
Comentários