António Horta Osório nomeado presidente do museu britânico Wallace Collection

O português António Horta-Osório foi nomeado, pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, para presidente do conselho de administração do museu londrino Wallace Collection, um dos mais importantes da Europa, foi hoje divulgado. O presidente do grupo bancário Lloyds substitui, a partir de janeiro, sir John Ritblat, um empreendedor britânico do setor imobiliário que esteve neste cargo […]

O português António Horta-Osório foi nomeado, pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, para presidente do conselho de administração do museu londrino Wallace Collection, um dos mais importantes da Europa, foi hoje divulgado.

O presidente do grupo bancário Lloyds substitui, a partir de janeiro, sir John Ritblat, um empreendedor britânico do setor imobiliário que esteve neste cargo durante uma década, período durante o qual o número de visitantes aumentou 80%.

A nomeação de Horta-Osório foi feita formalmente pelo primeiro-ministro britânico, que é responsável por designar os administradores desta instituição pública, cujo acervo foi doado, no final do século XIX, pela viúva de Richard Wallace, filho ilegítimo e herdeiro do 4.º Marquês de Hertford.

“Sinto-me imensamente privilegiado por ter a oportunidade de ser o presidente da Wallace Collection na próxima fase da sua evolução e por continuar o grande trabalho feito por sir John, na década passada”, afirmou o português, citado por um comunicado da instituição.

Durante o mandato do antecessor, foram concluídos vários projetos de reabilitação do edifício construído no final do século XVIII, que serviu de embaixada de Espanha e França e de residência dos marqueses de Hertford, até à abertura do museu público em 1900.

Para a próxima década, porém, o museu tem um plano que inclui tornar-se numa referência em termos de arte francesa do século XVIII e de armas e armaduras reais europeias, que compõem o seu acervo, assim como aumentar a acessibilidade e o acolhimento de uma audiência diversificada, além de pretender encorajar o conhecimento, com as suas iniciativas, e modernizar as infraestruturas.

“Estou encantado por ver a Wallace Collection em tão boas mãos”, declarou John Ritblat, ao conhecer o nome do seu sucessor. “Estou certo de que [Horta Osório] vai provar ser uma escolha extraordinária e vai apreciar as suas funções nestes museu glorioso”, declarou.

Além de um fundo importante de arte francesa do século XVIII e de armas e armaduras reais, a Wallace Collection tem um número importante de quadros de grandes pintores europeus como os flamengo Franz Hals e Rubens, o espanhol Velazquez ou o italiano Ticiano.

Segundo os termos da doação ao Estado britânico, a coleção de 5.637 peças, a preservar, não pode ser aumentada nem reduzida.

A entrada no museu, situado no centro de Londres, é gratuita, tendo no ano passado atraído o número recorde de 415 mil visitantes.

António Horta-Osório, de 50 anos, é presidente do Lloyds desde 2011, depois de ter trabalhado para o grupo Santander durante 17 anos.

É também administrador e consultor em diversas instituições de ensino, culturais e de investigação, como a universidade London Business School, o Museu Nacional de Arte Antiga e a Fundação Champalimaud, em Lisboa.

OJE/Lusa

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.