Apanhados a manipular a Euribor: Crédit Agricole, HSBC e JPMorgan multados

Estas três entidades decidiram não entrar em acordo para concluir a investigação, caminho seguido pelo Barclays, Deutsche Bank, RBS e Société Générale.

A Comissão Europeia multou o Crédit Agricole, HSBC e JPMorgan com 485 milhões de euros: JP Morgan (337 milhões), Crédit Agricole (115 milhões) e HSBC (34 milhões) por manipular o mercado de derivados sobre o Euribor, a referência mais utilizada para fixar taxas de juro variáveis de empréstimo e hipotecas.

Esta é a conclusão de uma investigação num esquema onde também participaram o Barclays, Deutsche Bank, Société Générale e Royal Bank of Scotland, escreve hoje o jornal online Expansiòn.

No entanto, estas entidades decidiram reconhecer a culpa e chegaram a um acordo com a Comissão Europeia em dezembro de 2013. Comprometeram-se em pagar 825 milhões de euros. Crédit Agricole, HSBC e JPMorgan decidiram não assinar este acordo e sujeitar-se às sanções de Bruxelas.

Com os 485 milhões anunciados hoje, o valor total das multas pelo caso da Euribor ascendem a 1.310 mil milhões de euros, a terceira maior multa jamais imposta pela Comissão.

 

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários