APAT pede maior investimento nos terminais de carga dos aeroportos

Transitários dizem que a gestora dos aeroportos em Portugal revela uma “criteriosa falta de visão” e desinvestimento nos terminais de carga.

Cristina Bernardo

A Associação dos Transitários de Portugal (APAT) acusa a ANA de desinvestimento no departamento de carga dos aeroportos e reitera que estes “não reúnem as condições necessárias para exponenciar a competitividade das exportações portuguesas”.

Num comunicado enviado às redações, a APAT indica que desde novembro, nos terminais de carga do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, tem-se multiplicado “a carga amontoada (por falta de espaço) e espalhada pelos terminais, fora do perímetro de segurança”. A situação é idêntica àquela que já se fez sentir no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

O cenário, no entanto, levanta questões quanto ao “acondicionamento e bom estado”, que segundo a APAT “não têm sido devidamente garantidos pelas entidades aeroportuárias”.

Os transitários falam numa “criteriosa falta de visão” dada a “inércia” da ANA “perante a necessidade urgente da tomada de iniciativas que contornem a realidade dos procedimentos de segurança se terem tornado uma entropia no movimento de mercadorias por via aérea, nos aeroportos do Porto e de Lisboa”.

A APAT acrescenta que “não havendo outras empresas com disponibilidade para investir, a solução terá de passar por ser a ANA a disponibilizar meios de rastreio nos terminais de carga”. “É, atualmente, incomportável, permanecermos impassíveis perante este contínuo desinteresse pela «carga»”, sublinha.

Recomendadas

Timor GAP quer substituir petrolífera australiana como operadora do Greater Sunrise

Segundo fontes ligadas ao processo ouvidas pela Lusa, o assunto foi debatido numa reunião interna do consórcio na última semana, durante a qual a Timor GAP confirmou essa intenção à Woodside que, dias depois, anunciou uma mudança de posição sobre o desenvolvimento do projeto, admitindo a possibilidade de construção de um gasoduto com ligação a Timor-Leste.

Australianos procuram parceiro minoritário para a Finerge

Energética portuguesa concluiu operação de refinanciamento de 2,3 mil milhões de euros para acelerar a expansão em Portugal e Espanha.

PremiumNorfin estima investir 750 milhões de euros em projetos até 2027

Deste valor, 700 milhões serão direccionados para a promoção de construção nova, nomeadamente, 350 milhões para a área residencial, 200 milhões para o segmento de escritórios, 100 milhões de euros para o sector da hotelaria e 50 milhões de euros em retalho.
Comentários