APED apela à rápida implementação do 5G para a recuperação económica de Portugal

A associação das empresas de distribuição deixa “um repto a todas as entidades envolvidas no sentido de este tema ser devidamente encarado, com clareza e largo consenso, para o bem da economia, das empresas e dos cidadãos”.

Secretário-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier

A APED – Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição apela à rápida implementação do 5G para a recuperação económica e competitividade do país.

“A Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) apela às entidades decisoras e reguladoras para à rápida implementação da tecnologia 5G em Portugal como parte do esforço de recuperação do País e em particular do setor da distribuição”, assume a associação em comunicado.

De acordo com essa nota, “num momento em que decorre a avaliação das candidaturas ao leilão das frequências de 5G e o calendário aponta para que as respetivas licenças sejam atribuídas no primeiro trimestre de 2021, a APED deixa um repto a todas as entidades envolvidas no sentido de este tema ser devidamente encarado, com clareza e largo consenso, para o bem da economia, das empresas e dos cidadãos”.

Gonçalo Lobo Xavier, diretor-geral da APED, sublinha que “a recuperação do País passa claramente pela economia digital, pela requalificação dos recursos humanos e pela digitalização dos processos”.

“A tecnologia 5G é assim um imperativo para Portugal e para se criarem condições e estruturas que permitam esta transformação. São fundamentais medidas claras e uma estratégia digital. A tecnologia 5G é essencial para a economia e para o setor da distribuição em particular”, avisa este responsável.

Para a APED, “a implementação desta nova geração de telecomunicações é uma oportunidade para o país retomar o rumo de um ecossistema empresarial inovador e que permita a reclassificação dos recursos humanos e das atividades associadas ao retalho e à distribuição, de que são exemplo a logística ou a produção nacional”.

“A situação de pandemia vivida ao longo deste ano veio colocar diversos desafios ao setor da distribuição e a toda a fileira associada, que foram superados graças a uma capacidade de adaptação e de flexibilidade, mas também pela aceleração da transformação digital que já se estava a viver ao longo dos últimos anos. A competitividade do sector, eficiência e capacidade de responder aos consumidores, incluindo as oportunidades geradas no comércio digital, dependerão da disponibilidade de infraestruturas de telecomunicações modernas e geradoras de inovação. Este é um momento decisivo para toda a economia. O País não pode ficar para o pelotão de trás na inovação tecnológica”, defende Gonçalo Lobo Xavier.

Recomendadas

Martín Tolcachir nomeado CEO Global do Grupo Dia

Tolcachir assumirá a estratégia da empresa a nível global e liderará a execução da estratégia de aceleração para o crescimento em todos os países onde opera, revela o grupo.

Seca no rio Reno põe em risco transporte de mercadorias

Os patrões alemães consideram que o governo federal, juntamente com os vários estados federados, o sector da logística e as empresas industriais, “deve estabelecer um sistema de monitorização próximo para reagir prontamente” ao baixo nível das águas.

Falta de gelo? Mercadona sem limitação de vendas nas lojas em Portugal

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.
Comentários